Português
  • Português
Your address will show here +12 34 56 78
Como fazer, Funcionalidades, Programa de Integridade, Treinamento de Compliance
A diversidade e a inclusão devem integrar os valores das empresas. Assim, é possível construir um ambiente organizacional mais representativo, o que traz ganhos aos colaboradores e às organizações. 

A sociedade está cada vez mais atenta ao impacto social provocado pelas empresas. Não cabe mais aos gestores focarem apenas na lucratividade e não se preocuparem com a responsabilidade social, tão necessária para a sobrevivência no mercado. 

Para o Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC), vislumbrar o futuro de uma organização significa incluir uma política de ESG – do inglês environmental, social and governance -, que pode ser compreendida como desenvolvimento corporativo sustentável com foco em boas práticas ambientais, sociais e de governança. Neste sentido, a diversidade e a inclusão são pilares fundamentais. 

Criar impactos positivos para a sociedade requer um trabalho contínuo, que deve começar de dentro para fora, envolvendo todos os colaboradores, por meio de políticas corporativas que expressem os valores da organização e da adoção de um sistema de compliance que possibilite colocar em prática essas diretrizes. 

Mas o que é diversidade?

A diversidade pode ser compreendida pela pluralidade dos indivíduos, que têm identidades e características próprias. Por isso, o termo está relacionado diretamente à representatividade.

Promover a diversidade significa respeitar essas diferenças e particularidades de cada um. Dentro das empresas, é a oportunidade de reunir diferentes pensamentos, vivências e lugares de fala. 

Há cinco grupos ou comitês que integram as discussões sobre diversidade e inclusão nas empresas, também chamados de ERG (Employee Resource Groups):

  • Faixa etária: trata a diversidade etária ou geracional, buscando incluir pessoas de diferentes idades na equipe;
  • Gênero: como o próprio nome já diz, aborda a diversidade de gêneros na empresa e trata de questões como a disparidade salarial ou a diferença de oportunidades por causa do gênero;
  • Etnia: lida com as diferenças culturais e físicas das etnias, incentivando o respeito, combatendo o racismo e qualquer outro tipo de discriminação;
  • Orientação sexual: tem o propósito de promover a igualdade de oportunidades e o respeito nas organizações com os funcionários LGBTQIA+; 
  • Pessoas com Deficiência (PCD): atua em prol da oferta de oportunidades, do respeito e de condições de trabalho para PCDs. 

E o que é inclusão?

A inclusão consiste em formas de promover a diversidade. Nas organizações, isso implica criar um ambiente que acolha, respeite e permita as pessoas diversas prosperarem. Assim, incluir é oferecer equidade de oportunidades e de tratamento.

O papel do compliance para garantir a diversidade e a inclusão

Diversidade e Inclusão (D&I) constituem o décimo pilar do compliance, de acordo com a Legal Ethics Compliance (LEC). Assim, cabe ao setor trabalhar essas questões no ambiente corporativo. 

Um erro grave dos gestores é deixar de abordar temas imprescindíveis às organizações por considerá-los “óbvios”. É esperado que nas empresas haja equidade, respeito e acolhimento à diversidade, mas isso nem sempre acontece, por essa razão, é necessário envolver os colaboradores na abordagem do tema.

Isso pode ser feito por meio de um treinamento de compliance. Esse tipo de ferramenta possibilita repassar informações, fixar os valores organizacionais e atestar a participação dos colaboradores, o que resguarda a empresa em caso de abertura de processos administrativos ou judiciais em função de irregularidades.

O canal de denúncias é outra ferramenta importante para o desenvolvimento deste trabalho. Por meio dele é possível detectar comportamentos divergentes aos valores da empresa e dar respostas ágeis ao problema.

O compliance é responsável por disseminar uma cultura ética, que valoriza a integridade e o cumprimento de normas e legislações. Isso vale, também, para as diretrizes relacionadas à diversidade e à inclusão.

Como treinar a equipe com um treinamento de compliance

O treinamento pode ser feito presencial ou on-line. O ideal é que tenha uma linguagem clara e acessível para a compreensão das informações que serão transmitidas. Deve ser dinâmico e didático na abordagem dos assuntos. O objetivo é provocar uma imersão da equipe por meio do conteúdo apresentado.

O clickCompliance oferece um treinamento de compliance exclusivo sobre diversidade e inclusão. O módulo aborda boas práticas para a inclusão de pessoas com deficiência (PCD) e diversas no referente à sexualidade, idade, raça e etnia. 

Vantagens de promover a diversidade nas empresas

As empresas que priorizam a diversidade através de um treinamento de compliance contam com uma equipe plural, o que contribui para uma maior troca de experiências e conhecimento. Essa pluralidade tem efeitos notórios:

  • Cria um ambiente de trabalho saudável e mais agradável;
  • Aumenta a motivação e o engajamento dos funcionários;
  • Mais motivados e engajados, os funcionários tornam-se mais produtivos;
  • A pluralidade da equipe fornece um repertório mais rico e propício à inovação;
  • Ao aumentar a representatividade, agrega-se valor à empresa e aos produtos;
  • Maior reconhecimento da sociedade;
  • Possibilidade real de fazer a diferença e transformar o mundo.

Garantir a diversidade é uma estratégia positiva de posicionamento no mercado. Mas, mais do que isso, significa a oportunidade de contribuir para uma transformação cultural que visa o acolhimento e o respeito às diferenças. Esse é um dos pilares para se pensar o futuro.
0

Como fazer, Governança de Documentos, Treinamento de Compliance
A chegada de novos funcionários na empresa exige um trabalho especial do compliance. Esse momento é o primeiro contato que esse novo colaborador terá com as políticas da empresa. É a oportunidade do compliance mostrar o que é esperado, e o quão forte é a cultura de integridade no dia a dia.

Isso é uma grande responsabilidade para um momento tão rápido. Por isso, um passo a passo forte para onboarding é necessário. A seguir, vamos mostrar os processos necessários, e como torná-los o mais eficaz possível.


1. Apresentar a mensagem da alta direção

Um primeiro passo fundamental é fazer transparecer desde o início o apoio da alta direção ao compliance e integridade. Apesar de sempre falarmos da importância dessa comunicação durante todo o programa de compliance, no onboarding isso deve ser o mais claro e direto possível.


Por isso, é importante utilizar algum material tangível, como uma carta ou vídeo, ou até uma palestra ao vivo. Assim se mostra logo de início que o assunto não é só falado, mas praticado efetivamente.

2. Direcionar políticas, manuais e documentos

O segundo passo é direcionar as primeiras políticas corporativas e outros documentos para serem lidos e aceitos. Por exemplo, todo novo funcionário precisa ler e aceitar código de conduta e ética, ler um manual, preencher formulário de conflito de interesses, etc.

É dever então do compliance, junto com o RH, entrar em contato com esses funcionários e garantir que foram compreendidos e aceitos logo.

3. Direcionar treinamentos

Assim como os documentos, os treinamentos são uma etapa fundamental do processo de boas-vindas de novos funcionários. Antes de começar a trabalhar, podem conhecer as regras do trabalho.

Por exemplo, treinamentos contra assédio, sobre proteção de dados, etc. são fundamentais desde o primeiro dia na empresa.

O compliance também deve realizar esses treinamentos com cada novo funcionário, além de realizar questionários para consolidar o aprendizado e para ter o registro de que essa pessoa entendeu as regras antes de começar a trabalhar.

4. Calendário de validade

Uma etapa fundamental, e que exige muito cuidado, é a organização de validade de documentos e treinamentos. Os novos funcionários já aceitaram e assistiram tudo, mas eventualmente será preciso que refaçam essas etapas para que tudo esteja fresco na mente.

Para isso, estabelecemos datas de validade, e ao chegar nelas o funcionário terá que reler e aceitar políticas ou refazer treinamentos. E isso terá que ser cobrado pelo compliance.

Para isso, é muito importante ter um calendário organizado com as datas em terá que fazer a cobrança e o que será cobrado de cada funcionário.

Como automatizar esse processo

Como vimos, esse processo de onboarding e cobrança é extremamente importante, mas também é muito manual e trabalhoso. É preciso garantir que cada funcionário passa por esses passos assim que chega, e ainda continuar a cobrar ao longo do tempo dependendo da validade.

Para ficar mais fácil, é possível contar com a automação de alguns processos. Abaixo, vamos explicar alguns casos práticos de automação de compliance.

Sincronização

Uma solução que sincroniza com a sua base de funcionários (que são criados pela sua equipe de TI ou no Office 365, ou no Google G Suite) vai permitir a criação de “audiências”.

Essas audiências são grupos de funcionários que precisam realizar ações parecidas. Por exemplo, todos os funcionários de marketing precisam fazer treinamento de LGPD; toda a equipe de compras precisa aceitar a políticas de compras, etc.

Com esses grupos criados, a ferramenta automaticamente solicita as ações necessárias de cada grupo, e o compliance só precisa configurar uma vez.

Centralização

Outro benefício da automação é a centralização de processos. Com uma ferramenta de automação, independente de quem estiver criando treinamentos ou subindo uma nova política, tudo é acessível no mesmo lugar.

Além disso, se for automatizar mais de um processo, como gestão de políticas e de treinamentos, uma boa ferramenta consegue atender a ambos no mesmo espaço.

Escalonamento de cobrança

É claro que, mesmo que as notificações sejam constantes, nem sempre o funcionário realiza a tarefa que precisa. Por isso, um sistema de automação consegue, após certo tempo, escalonar essa cobrança, automaticamente, para o gestor imediato do funcionário.

Esse processo inclusive pode continuar escalonando até que o funcionário realize a tarefa indicada pelo compliance.


 
0

LGPD, Treinamento de Compliance
Criada em 2018, a Lei Geral de Proteção de Dados (Nº 13.709/2018) marca o início de uma nova cultura sobre a privacidade dos cidadãos e a segurança às informações pessoais. O dispositivo legal estabelece parâmetros que regulamentam a forma que as empresas públicas e privadas devem tratar os dados de clientes e funcionários. Estar em conformidade com essa legislação é assegurar a responsabilidade e a ética empresarial. 

Para que as empresas possam estar alinhadas com o que diz a LGPD é necessário que todos os colaboradores e, também terceiros que estejam envolvidos em projetos corporativos, tomem conhecimento das informações. Isso pode ser feito por meio de treinamentos desenvolvidos em plataformas virtuais.

Compreenda a LGPD na prática

O texto da LGPD traz novas determinações para as empresas no que diz respeito à coleta, ao armazenamento e aos cuidados com os dados pessoais. Dentre essas mudanças está o fato de que é necessária a manifestação do consentimento do cliente para o uso de seus dados. Assim, é preciso maior transparência sobre o tratamento que será oferecido a essas informações.

As empresas também precisam informar com qual finalidade irão realizar a coleta de dados, sendo proibido o armazenamento de informações que não sejam compatíveis com a motivação informada. Também não se deve usar os dados coletados para outros fins.

A LGPD estabelece, ainda, a necessidade de implantação de um programa de governança em privacidade que assegure o comprometimento com a segurança de dados. A comprovação da efetividade desse programa pode ser exigida pela Autoridade Nacional de Proteção dos Dados (ANPD). Outra questão pontuada pela lei é a necessidade de aprimoramento contínuo do programa.

É importante destacar que o descumprimento às determinações da LGPD implica em multa que varia de 2% do faturamento até R$ 50 milhões.

Compliance bancário

Investir na segurança de dados é primordial para todas as organizações. Para aquelas que lidam diretamente com grande volume de informações pessoais, como o setor bancário e de finanças, trata-se de uma necessidade ainda mais urgente.

Nesse sentido, é preciso destacar a relevância do compliance bancário para que estas instituições estejam em conformidade com as leis, as diretrizes e os regulamentos que abordam o tratamento de informações, a segurança de dados, o gerenciamento de riscos e os demais controles de ética.

Sua equipe está preparada?

Após compreender alguns dos apontamentos práticos da LGPD e a importância para todas as empresas, sobretudo aquelas que lidam com grande volume de informações pessoais, é preciso se questionar sobre a preparação da sua equipe. 

Seus funcionários estão bem informados sobre o que diz a LGPD? No dia a dia da empresa são adotadas práticas de prevenção e combate a possíveis desvios de conduta? Como eles lidariam em uma situação de violação?

Pesquisa realizada pela consultoria Deloitte, mostrou que 80% das empresas brasileiras identificaram desvios de conduta nos últimos quatro anos. Isto significa que profissionais ou agentes dessas organizações adotaram um comportamento divergente da cultura ética corporativa, o que resulta em prejuízo aos clientes, aos profissionais e à marca. O estudo foi realizado em outubro de 2020, por meio de entrevistas aplicadas em 125 empresas de diferentes setores.

O resultado demonstra a necessidade do envolvimento de todos os funcionários nos programas de compliance e integridade. É assim que as empresas podem garantir não só a adequação às leis e normas vigentes, mas também, o combate efetivo às irregularidades, como fraudes e corrupção.

Canal de denúncias

Ainda de acordo com a pesquisa, 85% das empresas brasileiras usam o canal de denúncias como mecanismo para a identificação de irregularidades. O treinamento da equipe sobre o uso correto dessa ferramenta é uma maneira de tornar mais eficiente o trabalho de prevenção e coibição de possíveis desvios de conduta.

Motivos para realizar um treinamento

É possível treinar a equipe por meio de plataformas virtuais que oferecem capacitações sobre temas que são fundamentais para a empresa e o seu setor de atuação. No caso da LGPD, é um assunto de interesse de qualquer organização, independente do porte ou segmento.

Para escolher a melhor plataforma é preciso observar questões como acessibilidade, ferramentas utilizadas, oferta de métricas e relatórios, além da própria dinâmica de ensino.

Treinar a equipe confere vantagens como:

  • Maior dinamismo no repasse de informações;
  • Fixar as informações;
  • Aumentar a participação e a responsabilidade do funcionário;
  • Produzir indicadores e relatórios sobre desempenho;
  • Contribuir para a empresa alcançar o objetivo de se adequar à legislação. 

Novo treinamento clickCompliance

O clickCompliance está com um novo treinamento sobre proteção de dados que ajuda na compreensão da LGPD a partir da aplicação em situações do dia a dia. A aplicação é tanto para o ambiente digital, quanto o não digital. 

Esse novo treinamento pode ser incorporado como um módulo da plataforma clickCompliance, que pode ser acessada pelo navegador ou pelo aplicativo. Agende uma demonstração para conhecer esse e mais treinamentos no nosso site! 

Nossas capacitações oferecem conteúdos multimídias customizáveis, promovem o engajamento dos participantes por meio de storytelling e garantem indicadores e relatórios de desempenho.

 
0

Programa de Integridade, Treinamento de Compliance
O engajamento dos profissionais de uma empresa através do treinamento de compliance é um dos principais pilares dos programas de compliance. As normas de conduta e os procedimentos criados para atender as legislações sobre ética, transparência e combate à corrupção só têm funcionalidade quando colocadas em prática por todos os funcionários. Isso porque a construção e a consolidação da cultura organizacional acontecem no dia a dia da empresa.

Para assegurar o envolvimento de toda a equipe, é necessária a disseminação das informações sobre as políticas de compliance no ambiente corporativo. “O investimento em comunicação e treinamento, a fim de educar e conscientizar toda a cadeia de valor da organização sobre compliance, é essencial para que o sistema seja efetivo”, informa o Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC).

O órgão destaca, ainda, que essas políticas devem ser acessíveis e transmitidas de forma clara, objetiva e direta por meio de canais de comunicação já existentes na empresa, como jornal interno, lista de e-mails ou site. Para ter a certeza de que todos estão cientes das informações, o IBGC orienta que as empresas encaminhem documentos para serem assinados pelos funcionários atestando o conhecimento sobre as normas e os procedimentos estabelecidos.

O treinamento de compliance é outra medida que contribui para informar e promover o engajamento dos profissionais. O IBGC recomenda, inclusive, que para as áreas e as atividades consideradas de maior risco sejam oferecidas capacitações específicas. “O objetivo é habilitar as pessoas a executar essas atividades de forma mais segura, incluindo situações práticas, estudos de caso e orientações sobre como resolver eventuais dilemas”, afirma, sugerindo, ainda, que os treinamentos podem ser incluídos como obrigatórios aos funcionários.


Como realizar os treinamentos de compliance

Como realizar os treinamentos

O uso de plataformas de ensino a distância (EAD) para a capacitação de funcionários tem aumentado nos últimos anos, o que também abrange a oferta de treinamentos de compliance. Em 2020, quando a pandemia da Covid-19 chegou ao Brasil e apresentou a necessidade do distanciamento social, a realização dessas atividades de forma remota tornou-se uma opção para as empresas que ainda não faziam uso da modalidade.

A edição da pesquisa Panorama do Treinamento no Brasil 2020-2021 mostrou que 44% dos treinamentos realizados pelas organizações do país nesse período foram na modalidade EAD. “Foi o ano do home office, quando ganharam destaque todos os serviços que oferecem comodidades e possibilidades por meio da tecnologia”, aponta o estudo realizado pela Associação Brasileira de Treinamento e Desenvolvimento.

Ainda de acordo com o estudo, em comparação com 2019, a realização de treinamentos presenciais reduziu 27%, enquanto capacitações on-line síncronas (com atividades ao vivo) aumentaram 200%.



Vantagens do EAD para treinamento de compliance

Vantagens do EAD para o compliance

Para a realização do treinamento de compliance, as plataformas digitais oferecem vantagens em comparação com o treinamento presencial, tais como:

  • Personalização do conteúdo;
  • Redução de custos com transporte e deslocamento;
  • Otimização do tempo da equipe, o que contribui para o aumento da produtividade;
  • Automatização de processos, como a verificação de participação dos funcionários;
  • Geração de relatórios com dados que podem ser analisados pela empresa.

O clickCompliance oferece soluções tecnológicas para a gestão de treinamentos. O software promove o engajamento da equipe por meio de storytelling e conteúdo multimídia customizáveis. O treinamento é disponibilizado na plataforma e pode ser acessado tanto pelo navegador, quanto pelo aplicativo. Ao final da capacitação, os participantes recebem um certificado personalizado que pode ser publicado nas redes sociais, contribuindo, assim, para a divulgação orgânica do programa de compliance.



Cuidados ao oferecer treinamento de compliance

Cuidados na hora de oferecer o treinamento

Na modalidade de ensino remoto, é importante estar atento a algumas questões na hora de oferecer o treinamento de compliance como, por exemplo:

  • Acessibilidade da plataforma: certifique-se que todos os funcionários terão condições de acessar os conteúdos, seja pelo computador ou por celular;

  • Participação dos colaboradores: é necessário que o treinamento seja amplamente divulgado para a equipe, que haja controle de presença e, se a empresa achar necessário, seguir a orientação do IBCG de colocar a atividade como obrigatória;

  • Didática dos conteúdos: outro aspecto fundamental é conseguir despertar o interesse dos colaboradores durante o treinamento. Afinal, no ensino a distância há maior competição pela atenção dele, seja com o que acontece em casa, as mensagens no celular ou os sites na internet. Para atrair o colaborador, vale a pena usar conteúdos multimídias e manter sempre uma linguagem clara, direta e objetiva.



Planejamento e prática do treinamento de Compliance

Planejamento e prática

O plano de treinamento deve ser criado pelo setor de compliance em parceria com a área de recursos humanos e ter realização periódica. O artigo nº 42 do Decreto nº 8.420, que regulamenta a Lei nº 12.846/2013, conhecida popularmente como Lei Anticorrupção, estabelece que a oferta de capacitação para a equipe deve ser um dos métodos de avaliação da eficiência do programa. Outros critérios estabelecidos pela legislação são o comprometimento da direção, os padrões de conduta e a análise periódica dos riscos.

Diferentes temas merecem atenção dentro de uma empresa e podem ser trabalhados com os funcionários durante os treinamentos de compliance. É importante, por exemplo, que a equipe esteja informada sobre a conduta no ambiente de trabalho; a oferta e o recebimento de brindes; o relacionamento com a Administração Pública e com terceiros; a Lei Geral de Proteção de Dados (Nº 13.709/2018); a prevenção contra fraudes e o combate à corrupção, bem como as informações sobre a Lei Anticorrupção (Nº 12.846/2013).


A importância de uma treinamento de compliance
Importância do treinamento de compliance

Treinar a equipe é uma forma efetiva não só de difundir as normas e os procedimentos de compliance como, também, fortalecer o sentimento de pertencimento nas organizações. Ao definir práticas que devem ser cumpridas por todos os funcionários, sem distinção, a empresa mostra a importância de cada um para a obtenção de bons resultados em conjunto. O treinamento de compliance contribui também para:

  • Fixar as regras e normas;

  • Aumentar o engajamento e a responsabilidade da equipe no combate à corrupção;

  • Produzir indicadores e relatórios sobre o conhecimento da equipe e o desempenho da empresa acerca do compliance;

  • Fortalecer a credibilidade da empresa no combate à corrupção;

  • Garantir a efetividade das práticas de compliance que foram adotadas.

Investir em treinamentos é, portanto, uma etapa fundamental para a realização dos programas de compliance e a concretização dos objetivos esperados pelas organizações. Para conhecer mais sobre como o clickCompliance pode auxiliar nessa tarefa, agende uma demonstração. Nossa equipe estará a postos para ajudar.

0

Como fazer, Fique por Dentro, Programa de Integridade, Treinamento de Compliance
O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento está promovendo mais uma edição do Selo Mais Integridade, que avaliará práticas de integridade por empresas do agronegócio sob a ótica da responsabilidade social, sustentabilidade, ética e ainda o empenho para a mitigação das práticas de fraude, suborno e corrupção (integridade).

As inscrições ficarão abertas até 4 de junho, e os interessados em obter o prêmio deverão realizar sua inscrição diretamente no site oficial do MAPA.

Esse selo é importante visto que o setor agro é particularmente forte no Brasil, e foi fortemente impactado por operações e campanhas anticorrupção e pró sustentabilidade. Também é um setor que possui dificuldades singulares em relação a compliance. Isso se dá por conta de vários fatores, como:

  • Difícil acesso a comunicação, internet, etc. nas localidades (fazendas, indústrias, etc.)
  • Alta rotatividade de colaboradores
  • Espaçamento físico entre sedes e outras operações da empresa

Isso vai fazer a diferença no modo como as empresas do setor são avaliadas quanto ao compliance e governança. Afinal, quando a grande maioria dos funcionários estão dispersos, os objetivos do compliance não podem seguir os mesmos procedimentos mais corporativos de uma empresa tradicional.

Porque buscar o Selo Mais Integridade?

Obter um prêmio como esse é um ponto positivo para empresas que traz diversos benefícios, como dar mais confiança aos stakeholders por exemplo. Além disso, é uma forma de priorizar e direcionar estratégias de compliance ao que é mais relevante para o mercado.

Por último, um grande ponto positivo de receber um selo como esse é a análise de riscos. Muitas empresas já consideram uma certificação como um atenuante de risco durante o due diligence de potenciais fornecedores.

Como se inscrever no Selo Mais Integridade?

A inscrição é gratuita e pode ser feita pelo formulário do site do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). Por ser especificamente das empresas do setor agrícola, a avaliação desse prêmio tem uma característica própria.

Enquanto outros como o Pró-Ética focam em gestão e governança, estrutura, etc., esse selo foca na prática e no dia a dia do compliance. Ou seja, avalia treinamentos, políticas corporativas, e como a empresa faz para atingir seus funcionários diariamente.

A seguir, vamos destacar alguns pontos considerados chaves por profissionais de compliance que participaram do processo de inscrição:

Evidências!

Essa foi a palavra mais usada para descrever o que é avaliado na inscrição do Selo Mais Integridade. Será preciso comprovar as ações realizadas através de fotos, vídeos, capturas de tela, etc. Ao contrário de outros selos que focam em processos, esse prêmio quer provas das ações no dia a dia. Por exemplo:

  • Lista de presença de treinamentos
  • Fotos e vídeos de ações e treinamentos
  • Fotos de materiais distribuídos como cartilhas
  • Provas de ações para público não letrado

Dica: Comece a guardar fotos, vídeos e materiais em um só lugar para acelerar o processo de busca dessas informações. Se deixar para juntar só na inscrição, pode ficar corrido demais.

Treinamentos

Os treinamentos foram um ponto considerado de destaque para os avaliadores. Solicitaram listas de presença e fotos para provar a realização, o que pode ser devido à dificuldade de acesso aos funcionários, espalhados por diversos locais remotos.

Afinal, um dos grandes desafios das empresas desse setor é justamente fazer com que suas comunicações cheguem bem em todos os funcionários da empresa.

Dica: De acordo com o profissional entrevistado, os treinamentos online tinham taxa de presença maior do que o presencial, o que foi um ponto positivo para a avaliação.

Ações e campanhas

Outros selos, como o Pró-Ética, avaliam a estrutura da governança, o relacionamento da empresa com a administração pública e outros pilares do programa de compliance.

No entanto, o Mais Integridade foi descrito como focado no contato entre o compliance e os funcionários da empresa. Por isso, buscaram entender quais as ações eram feitas para fazer o compliance e a integridade chegarem em toda a empresa.

Se a sua empresa não fizer esforços efetivos em criar campanhas criativas e estimular o engajamento dos colaboradores, perderá pontos nos olhos dos avaliadores.

Alta direção

O envolvimento da alta direção vai sempre ser muito buscado por pessoas que estão avaliando um programa de compliance. Com esse selo, não foi diferente. De acordo com pessoas que passaram por essa experiência, foi necessário ter uma carta de declaração do presidente da empresa como parte da inscrição.

Isso reforça a importância dada por esse selo às evidências materiais dos conceitos do programa de integridade, em vez de somente os processos bem documentados.

Conclusão

O que aprendemos com essa conversa é que interessados em se inscrever no Selo Mais Integridade precisam ter à sua disposição todo tipo de evidência e indicador sobre seu programa de compliance e as campanhas.

Além disso, como houveram muitas dúvidas e questionamentos ao longo do processo de inscrição e avaliação, o Ministério da Agricultura se colocou à disposição para auxiliar em tudo que fosse preciso.
0

Como fazer, Programa de Integridade, Treinamento de Compliance
A sua empresa já possui um programa de compliance bem estruturado, com processos organizados, ferramentas, políticas e tudo mais. No entanto, as ações da equipe de compliance não saem do próprio compliance, RH e jurídico, e ninguém sabe exatamente porque vocês existem, nem o que fazem.

Se identificou com essa situação? Esse é um desafio comum do programa de compliance: engajar todos os funcionários da empresa e realmente tornar a ética e integridade uma parte da cultura e do dia a dia dos seus funcionários.

Se você quer formas criativas e inovadoras para engajar sua empresa na ética e compliance (inclusive as gerações mais jovens), continue lendo e veja nossas ideias para ter um programa de compliance criativo e eficaz.

Jogos de compliance

Muito se vê a palavra “gamificação”. Mas o que realmente é, e como podemos aplicar no compliance? Esse conceito nada mais é do criar uma experiência de jogo sobre o tema escolhido. Ou seja, criar incentivos, sensação de ganhar e perder.

É importante lembrar que essa competição criada deve ser uma competição de cada funcionários com ele mesmo, para que não sejam criadas inimizados nem ambientes desagradáveis no trabalho.

Um exemplo é o jogo de compliance da Totvs. Através do jogo eletrônico, os funcionários respondem questões sobre o assunto escolhido, como valores éticos e de conduta, e acumulam pontos que podem ser trocados, no fim do ano, por prêmios.

Dica: Você pode usar dados da plataforma do clickCompliance para isso. Você pode segmentar esses por equipes, por exemplo, ou qualquer outra visualização que prefira.

Quiz de bar

Outra atividade divertida que pode engajar os seus funcionários é o clássico diz de quiz de bar. Você pode escolher grupos menores, como 2 equipes, para jogarem uma contra a outra. Devem ser feitas perguntas e cada equipe anota as suas respostas.

No final, os cartões são revisados, e a equipe com mais pontos ganha algo, como um almoço de pizza. Além de gerar engajamento com os temas de compliance, passa uma imagem divertida do compliance e gera interação entre equipes.

Dica: Torne o quiz menos maçante misturando perguntas sobre conhecimento geral, cultura pop e até sobre a empresa, além de perguntas sobre compliance e ética.

Aproveitar redes sociais

As redes sociais são uma presença constante na vida dos seus funcionários. Por que não aproveitar elas para as ações do compliance? Você pode criar grupos no Facebook para compartilhar novidades, por exemplo.

Outra boa opção é compartilhar os resultados e o engajamentos dos funcionários e equipes nas redes, como no Linkedin, onde funcionários gostam de interagir e compartilhar seus sucessos de trabalho.

Dica: O clickCompliance tem uma funcionalidade para compartilhamento de certificados dos treinamentos nas redes sociais. Outra forma de estimular isso é estimular gestores a interagir com esses posts, comentando e curtindo.

Dia de filmes

Nessa atividade, a sua equipe pode escolher um filme que seja relacionado a questões de ética nos negócios e assistir com algum grupo de funcionários. Depois, pode ser distribuídos um questionário rápido que enaltece as questões éticas que o filme abordou.

Outra opção é levantar essas questões em forma de tópico e pedir que os grupos os discutam, as situações, a relevância para a empresa e como eles poderiam agir de forma diferente.

Esse também é um bom momento para um exercício de situação. Crie uma situação parecida como a do filme mas aplicável à sua empresa e peça que os funcionários debatem como deveriam agir.

Dica: Alguns bons filmes que falam sobre fraudes e ética corporativa são: A Rede Social, O Lobo de Wall Street e A Grande Aposta.

Campanhas e parcerias

O “Compliance Week” (como a feita por um cliente do clickCompliance, a A.Yoshii), é uma campanha muito aplicada pelas empresas para dedicar uma semana à conscientização da importância do compliance. Nela pode ser feitos esses jogos, palestras, lançamento de ferramentas, e mais.

É uma oportunidade de ter a atenção de toda a empresa e estabelecer a sua imagem como uma equipe engajada, pronta para ajudar e tirar dúvidas, e criativa.

Dica: Converse com o setor de marketing e RH da sua empresa. Ambos são experientes em fazer campanhas internas e na comunicação com os funcionários. Também sabem utilizar redes e outros meios de divulgação.


 
0