Português
Your address will show here +12 34 56 78
Como fazer, Programa de Integridade
O setor da saúde é um dos que pode ter consequências mais diretas e devastadoras em casos de irregularidades. Afinal, ele lida diretamente com o bem-estar das pessoas, e, se não muito bem regulamentado, pode levar a negligências que custam vidas.

Para isso, todas as instituições devem ter procedimentos de compliance bem estabelecidos para gerir a organização de forma eficiente e segura. Uma das formas que o mercado utiliza para se regular são selos e acreditações para incentivar empresas a aderirem às boas práticas de compliance na saúde.

Um grande exemplo desses prêmios é o Selo Unimed Governança e Sustentabilidade. A seguir, vamos explicar o processo de inscrição e obtenção desse selo, e porque é interessante que organizações do mercado da saúde estejam por dentro dele.

O que é esse selo?

O objetivo desse prêmio é fazer um diagnóstico da gestão, e observar sua atuação em relação à governança e sustentabilidade. Mais especificamente, verifica se hospitais e operadoras de saúde estão seguindo boas práticas do mercado, e da própria Unimed.

O selo é distribuído a cada 2 anos. O último foi em 2020, e o próximo será em 2022. Por isso, para garantir a melhor colocação, é preciso começar a organizar e adequar processos já com antecedência para não deixar nenhum detalhe de fora.

É possível obter 4 selos: Bronze, Prata, Ouro e Diamante. Além disso, também é possível receber o prêmio Djalma Chastinet Contreiras. Ele só é conferido às Unimeds que obtiverem a melhor pontuação por porte e a Federação mais bem pontuada.

Por que eu preciso conhecer esse selo?

A Unimed é uma das maiores cooperativas médicas do Brasil. Por isso, entender como ela avalia suas unidades é conhecer as boas práticas do mercado e do compliance na saúde.

Além disso, o selo dela de governança e sustentabilidade existe desde 2003. Ou seja, existe desde antes do grande “boom” de compliance no Brasil. Tem sido aperfeiçoado ao longo desse tempo para criar um sistema eficaz de avaliação das suas unidades.

Em outras palavras, o selo da Unimed é um bom parâmetro para qualquer instituição do setor de saúde que quer uma lista de boas práticas, ainda ranqueadas de acordo com importância e criticidade para a gestão.

Como funciona a inscrição e a avaliação?

A inscrição é feita pela própria unidade que deseja concorrer ao selo, e os materiais são enviados para a Unimed do Brasil. Mas o que exatamente é enviado?

Basicamente, os documentos consistem em provas e evidências de uma boa governança e sustentabilidade na empresa. Ou seja, se não houver uma boa forma de visualizar a eficácia do programa de compliance, não seria possível comprovar que está em bom funcionamento.

Isso é um detalhe importante, visto que esse problema se repete diversas vezes no cenário do compliance. A importância das evidências surge em selos como esse e o Pró-Ética, em auditorias internas e externas, em investigações da justiça com bases em leis como a Lei Anticorrupção, etc.

Essas evidências vão comprovar alguns pontos cruciais do programa de governança e sustentabilidade:

  • Órgãos sociais
  • Gestão organizacional
  • Ferramentas e soluções
  • Cooperados
  • Relacionamento com fornecedores, clientes, beneficiários, sociedade e meio ambiente
  • Cumprimento legal
  • Boas práticas

Tudo isso tem o objetivo de mostrar que a unidade da cooperativa não só garante excelência na gestão, como, através de um programa sólido de compliance na saúde, traz retorno econômico e financeiro.

Afinal, uma gestão organizada, otimizada e bem fundamentada na legislação é fundamental não só para criar uma boa relação com os stakeholders, como, consequentemente, uma forma de trazer cada vez mais retorno financeiro e estabilidade para a empresa.
0

Como fazer, Programa de Integridade
A demanda por responsabilidade ambiental e sustentabilidade nas empresas nunca esteve tão forte. E no Brasil, um país que sempre ostentou muitos recursos ecológicos, e ensinou sua população e o mundo a valorizá-los, é ainda mais importante que organizações invistam em programa de compliance ambiental.

Qualquer empresa cujas atividades possam ter algum impacto no meio ambiente, direta ou indiretamente, deve buscar formas de estar conforme as diversas regulamentações ecológicas. Além disso, deve buscar cada vez mais ser ativo na promoção da defesa do meio ambiente para garantir a segurança e o apoio dos diversos stakeholders.

Porque investir em compliance ambiental?

Investir em compliance ambiental traz diversos benefícios. Empresas que estiveram envolvidas em escândalos ambientais tiveram que pagar multas elevadas, sofreram embargo de equipamentos e instalações e até tiveram suas atividades suspensas.

Já as que possuíam um bom programa de compliance puderam comprovar que colocaram todos os procedimentos possíveis em prática. Ou seja, fizeram tudo em seu poder para evitar que os desastres acontecessem.

No entanto, além das multas e suspensões, uma empresa pode sofrer muitas consequências se estiver envolvida em algum escândalo ambiental, como:

  • Expulsão do Índice de Sustentabilidade Empresarial da BOVESPA (ISE);
  • Queda no valor das ações;
  • Perda de mercados internacionais, que são mais rigorosos quanto à proteção ambiental;
  • Perda de consumidores e de faturamento;
  • Sofrer responsabilização penal, civil e administrativa.

Como fazer o programa de compliance ambiental?

O maior desafio do profissional de compliance que está trabalhando com o compliance ambiental é conseguir tirar o discurso do papel e torná-lo realidade. Afinal, em muitas empresas os impactos ambientais estão relacionados à cadeia de produção, terceiros, e outros processos complexos.

Ao lidar com tantos fatores que são fundamentais para o funcionamento da empresa, o profissional de compliance tem que trabalhar muito para criar um programa que consiga penetrar todas essas esferas da empresa e tornar a proteção ao meio ambiente parte da cultura corporativa.

Mapeamento de legislação

O primeiro passo é entender o cenário de regulamentação ambiental que é pertinente à atuação de sua empresa. É preciso conhecer a fundo todo tipo de lei, norma, decreto, etc. Ao qual a sua empresa precisa estar conforme.

Mapeamento de riscos

Após entender as normas ambientais que tangem à sua empresa, é hora de entender os riscos que podem se apresentar na sua empresa. Com essas informações é possível criar os relatórios de avaliação de impacto que irão priorizar todas as atividades futuras do programa de compliance ambiental.

Produção de políticas

O primeiro passo de real implementação do programa de compliance ambiental é a produção de políticas corporativas. É imprescindível fazer políticas gerais como Código de Ética e Conduta, mas também utilizar os relatórios de impacto para identificar as fraquezas da empresa e criar políticas de prevenção.

Realização de treinamentos periódicos

Quando forem criadas as políticas corporativas, é hora de criar um plano de treinamentos para sustentar o conteúdo das políticas ao longo do tempo.

Políticas corporativas são documentos burocráticos. Apesar de terem validade e precisarem ser aceitas periodicamente, são densos e difíceis de serem absorvidos e lembrados por colaboradores. Por isso, uma agenda de treinamentos com frequência ajuda na absorção do conteúdo e aumenta o engajamento com o programa de compliance ambiental.
0

Eventos, Programa de Integridade
Um dos grandes desafios da equipe de compliance é, não só fazer a implementação dos procedimentos e políticas, como conseguir fazer um bom monitoramento dos seus esforços no programa de compliance.

Tão importante, inclusive, que o artigo 42 do decreto que regulamenta a Lei Anticorrupção, coloca que o programa de compliance será avaliado de acordo com “monitoramento contínuo do programa de integridade visando seu aperfeiçoamento na prevenção, detecção e combate à ocorrência dos atos lesivos”.

A seguir vamos falar de alguns dos principais desafios e pontos-chave para fazer um bom monitoramento do seu programa de compliance. Você também pode assistir um debate gratuito sobre o tema com a Chief Compliance Officer da Novonor e o General Legal Counsel da Andrade Gutierrez.

Auditoria e monitoramento não são iguais?

Antes de seguirmos, é importante definir a diferença entre o monitoramento do seu programa de compliance e uma auditoria. De fato, ambos vão fazer uma análise dos seus procedimentos para verificar a qualidade e a eficácia do trabalho do compliance. No entanto, se você faz um, não ache que você pode escapar do outro.

Auditoria

A auditoria é um método de avaliação formal. Terá metodologia de avaliação, critérios, conclusões formais, etc. Além disso, é um processo que, idealmente, é feito de forma independente para garantir objetividade.

Isso é importante porque, a partir dessa auditoria, vão ser destacados pontos de melhoria, e o que pode ser feito. A partir disso, o programa de compliance ajusta para incluir essas melhorias. Se a auditoria for feita internamente, é menos provável que fossem tão honestos ao identificar pontos fracos.

Monitoramento

Já o monitoramento deve ser feito internamente, pela própria equipe de compliance. Além disso, deve ser feito continuamente. O que é analisado não são os procedimentos e estratégias gerais, e sim os micro resultados do trabalho diário, para ser melhorado continuamente. É mais focado em encontrar pontos de melhoria e ineficiências operacionais.

O que deve ser analisado no monitoramento?

A palavra mais importante do monitoramento contínuo de compliance é: dados. Não é possível fazer um bom monitoramento sem ter acesso aos dados certos sobre seu programa de compliance.

Inclusive, uma dica é escolher os dados mais importantes para a sua estratégia, que podemos chamar de KPI’s (Key Performance Indicators), ou indicadores chaves de performance.

Assim, você já sabe o que analisar, e não perde tempo olhando um mar de dados que não é útil para sua estratégia. Alguns exemplos de KPI’s para seu programa de compliance podem ser:

  • Número total de denúncias em aberto
  • Número total de questões de recursos humanos abertas
  • Porcentagem de problemas pendentes pós-auditoria
  • Tempo médio do ciclo de investigação de denúncia por tipo
  • Porcentagem de auditorias internas concluídas no prazo
  • Porcentagem total de treinamentos concluídos (por funcionário e por departamento)
  • Quantidade de políticas aceitas (por funcionário e por departamento)

Principais desafios do monitoramento contínuo de compliance

As empresas atualmente ainda enfrentam muitas barreiras para realmente aproveitar as possibilidades analíticas disponíveis. A seguir, falamos sobre alguns dos principais.

Ferramentas adequadas

O monitoramento contínuo gira em torno de dados. Ou seja, para conseguir fazer o monitoramento, é preciso fazer a coleta desses dados. Nesse quesito muitas empresas já apresentam problemas.

A forma mais comum de coletar dados sobre o compliance é manualmente e inserindo todos em planilhas. Isso é muito ineficiente, desperdiça tempo da equipe que poderia ser usado na análise e melhoria do programa e é muito mais provável que ocorram erros.

Amostra abrangente de público

Outra dificuldade que empresas apresentam, normalmente quando não há ferramentas especializadas, é não conseguir ter uma amostra de funcionários grande o suficiente nos dados. Solicitando dados por e-mail, por exemplo, é difícil realmente conseguir todos.

Além disso, é ainda mais difícil ter controle sobre dados de terceiros, como fornecedores, funcionários terceirizados, etc. Esses também são fundamentais para a eficácia do programa de compliance.

Amostra abrangente de processos

Outro desafio do monitoramento de compliance é conseguir dados de todos os processos de compliance, ou pelo menos os mais importantes. Por exemplo, hoje em dia o número de canais de denúncias digitais tem crescido, e ferramentas digitais costumam ter indicadores.

No entanto, é preciso também ter dados sobre vários outros processos do programa de compliance para que se possa fazer melhorias realmente valiosas e completas.

Dados atualizados

Por último, uma grande dificuldade das equipes de compliance é conseguir ter sempre uma safra de dados atualizados.

Por exemplo, se os dados são coletados e organizados manualmente em planilhas, é irreal planejar uma coleta diária de todas as informações. Por isso, sem nenhuma automatização, o monitoramento fica menos preciso, e muito menos atualizado.

 
0

Como fazer, Programa de Integridade
A gestão de riscos e compliance devem ser feitos sempre que a empresa identifique e busque prevenir e mitigar um determinado risco regulatório. Com essa metodologia é possível mapear e criar procedimentos para lidar com os mais diversos riscos que podem se apresentar.

Já a diversidade e inclusão (D&I) é uma prática fundamentada nos direitos fundamentais dos seus colaboradores. Inclusive, não só está presente na Constituição brasileira, como está logo no artigo 3°:

“Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil:

IV – promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação.”

Além disso, é possível observar a defesa da igualdade no artigo 5º da Constituição, inciso I, VI e X, respectivamente sobre a igualdade dos gêneros, a liberdade de crença e a proteção à intimidade.

Neste artigo vamos apresentar ações para a equipe de compliance sustentar esses direitos com bases nas diversas normas e regulamentações acerca do tema. Com isso, é possível prevenir incidentes de conduta ilegal e antiética, protegendo a empresa de danos financeiros e de reputação através de ações trabalhistas e indenizações.

É importante lembrar, antes de entrarmos mais a fundo no assunto, que essas atividades e procedimentos devem conseguir produzir evidências da adoção e eficácia delas, para monitoramento, divulgação e em casos de auditorias.

A diferença entre diversidade e inclusão

É sempre bom ter clareza a respeito dos conceitos que você vai aplicar na sua empresa. Um dos segredos para ter ações que não são rasas e que acertem o alvo é saber o máximo possível sobre o assunto. Principalmente quando o caso é tão sensível para os grupos afetados.

A diversidade é o reconhecimento e o respeito às diversas faces e dimensões dos indivíduos. Já a inclusão vai além, e busca o acolhimento efetivo desses indivíduos diversos.

Basicamente, a inclusão é colocar em prática e estimular a diversidade na sua empresa (nesse caso – podemos praticar a inclusão em todas as esferas da nossa vida).

Apenas alguns exemplos dessas diversidades que devem ser respeitadas e incluídas na sua empresa e nas suas ações de compliance são:

  • Gênero
  • Etnia
  • Orientação sexual
  • Identidade de gênero
  • Crença ou prática religiosa
  • Raça
  • Origem ou classe socioeconômica
  • Pessoas com deficiências
  • Argumentos para defender ações de D&I

As ações de gestão de riscos e compliance a respeito de diversidade e inclusão precisam ser contínuas para que realmente se tornem uma parte da cultura corporativa da empresa. Para isso, é sempre preciso destinar recursos, o que nem sempre é fácil de defender na hora de definir um orçamento.

Mas o que não falta é motivo para investir nessas práticas. Por exemplo:

  • De acordo com o estudo Women in the Workplace 2019 da McKinsey & Company, “para alcançar a verdadeira equidade, as empresas devem investir na criação de uma cultura forte de diversidade e inclusão”.
  • A mesma pesquisa também mostrou que “para alcançar a verdadeira equidade, as empresas devem investir na criação de uma cultura forte de diversidade e inclusão”.
  • As legislações trabalhistas estão cada vez mais atualizadas sobre o tema, o que aumenta torna indenizações por danos morais cada vez mais bem fundamentadas.
  • De acordo com o instituto Lean in e McKinsey, companhias mais diversas têm 35% mais retorno financeiro que a média de mercado e com mais diversidade de gênero, 21%.
  • De acordo com a Forbes, 85% das grandes empresas pesquisadas concordam que a diversidade é a chave para a inovação.
  • De acordo com a Pesquisa Diversidade de Gênero em Segurança e Gestão de Risco da Gartner, equipes com maior diversidade de gênero superam em cerca de 50% a performance observada em grupos mais homogêneos e menos inclusivos. 

Vá além de políticas e treinamentos

Você pode pensar que nesse artigo vamos sugerir que você tenha políticas corporativas a respeito da D&I e que você realize treinamentos periódicos para fixar o tema.

No entanto, a realidade é que essas duas coisas são bases fundamentais para o compliance antidiscriminatório. O nosso objetivo neste artigo é mostrar ações necessárias para reforçar esses treinamentos e políticas, que já deveriam existir, no dia a dia.

Se você ainda não implementou políticas e treinamentos, as ações de suporte não serão ancoradas nos processos básicos de qualquer programa de compliance. Se esse for seu caso, corra atrás deles primeiro, e depois implemente as ideias desse artigo.

Crie um espaço sem medo

Quando o assunto é diversidade, ainda existem muitas pessoas que pertencem a minorias que sofrem preconceito na vida, e têm medo de que isso aconteça também na sua vida profissional.

É preciso que todos os funcionários saibam que podem ser abertos e fazer solicitações especiais que as façam se sentir verdadeiramente acolhidas.

Por exemplo, se houver algum funcionário muçulmano praticante, essa pessoa terá que tirar pausas em determinados momentos do dia para suas rezas. Em alguns casos, essas pessoas até são demitidas por não estarem “produtivas”. No entanto, também existem casos de processos ganhos de discriminação religiosa.

Para isso, você deve incluir esses direitos à prática religiosa nas políticas corporativas, e trabalhar junto com o RH para concretizar esse direito com espaços específicos para as atividades religiosas, por exemplo.

Além disso, você pode por exemplo espaços como o do clickCompliance para mensagens da alta direção que confirmem essa liberdade, sem risco de demissão ou punição.

Garanta o equilíbrio entre vida profissional e privada

Este ponto é principalmente referente à inclusão das mulheres nas empresas. Apesar de todos os avanços nesse para a igualdade entre homens e mulheres no lar, estudos mostram que mesmo quando a mulher é ativa no mercado de trabalho, ela arca com a maioria das tarefas domésticas.

Para isso, a Gartner sugere práticas de equilíbrio entre a vida pessoal e profissional, como horários de trabalho flexíveis, que devem ser previstas nas políticas corporativas e reforçadas na comunicação do compliance e RH.

Outra sugestão é avaliar a possibilidade das licenças maternidade e paternidade estar dentro dos direitos dos funcionários. Isso não só ajuda a incluir as mulheres que já estão na empresa, como também estimula mais mulheres a se candidatarem, diversificando o corpo de funcionários.

Comunicação, comunicação e comunicação

O segredo para qualquer uma dessas ações de gestão de riscos e compliance funcionar é comunicar. Isso porque, por ser um assunto sensível, nem sempre os funcionários querem se expor e divulgar as suas diversidades, como no caso de origem ou classe socioeconômica, crença ou prática religiosa e orientação sexual.

Por isso, é imprescindível ter canais de constante comunicação dos princípios, valores e políticas da empresa. Assim, mesmo sem o engajamento ativo do funcionário, ele sabe que é acolhido na sua empresa.

Outra sugestão é utilizar um chatbot, como o do clickCompliance, para responder dúvidas sobre as políticas corporativas relacionadas à diversidade e inclusão. É um espaço seguro, e o funcionário sabe que não terá juízo de valor na hora de atender a sua pergunta.

Cuidado com o Tokenismo

O tokenismo é um conceito importante que deve ser evitado ao implementar ações práticas de gestão de riscos e compliance para D&I. Isso acontece quando empresas se aproveitam do valor que a diversidade traz e fazem uma falsa inclusão racial, apenas com finalidade de marketing.

Em outras palavras, é um esforço superficial para ser inclusivo. Uma forma de tokenismo inclusive é criar políticas sobre o assunto, mas não reforçar na prática.


 
0

Como fazer, Programa de Integridade, Treinamento de Compliance
A sua empresa já possui um programa de compliance bem estruturado, com processos organizados, ferramentas, políticas e tudo mais. No entanto, as ações da equipe de compliance não saem do próprio compliance, RH e jurídico, e ninguém sabe exatamente porque vocês existem, nem o que fazem.

Se identificou com essa situação? Esse é um desafio comum do programa de compliance: engajar todos os funcionários da empresa e realmente tornar a ética e integridade uma parte da cultura e do dia a dia dos seus funcionários.

Se você quer formas criativas e inovadoras para engajar sua empresa na ética e compliance (inclusive as gerações mais jovens), continue lendo e veja nossas ideias para ter um programa de compliance criativo e eficaz.

Jogos de compliance

Muito se vê a palavra “gamificação”. Mas o que realmente é, e como podemos aplicar no compliance? Esse conceito nada mais é do criar uma experiência de jogo sobre o tema escolhido. Ou seja, criar incentivos, sensação de ganhar e perder.

É importante lembrar que essa competição criada deve ser uma competição de cada funcionários com ele mesmo, para que não sejam criadas inimizados nem ambientes desagradáveis no trabalho.

Um exemplo é o jogo de compliance da Totvs. Através do jogo eletrônico, os funcionários respondem questões sobre o assunto escolhido, como valores éticos e de conduta, e acumulam pontos que podem ser trocados, no fim do ano, por prêmios.

Dica: Você pode usar dados da plataforma do clickCompliance para isso. Você pode segmentar esses por equipes, por exemplo, ou qualquer outra visualização que prefira.

Quiz de bar

Outra atividade divertida que pode engajar os seus funcionários é o clássico diz de quiz de bar. Você pode escolher grupos menores, como 2 equipes, para jogarem uma contra a outra. Devem ser feitas perguntas e cada equipe anota as suas respostas.

No final, os cartões são revisados, e a equipe com mais pontos ganha algo, como um almoço de pizza. Além de gerar engajamento com os temas de compliance, passa uma imagem divertida do compliance e gera interação entre equipes.

Dica: Torne o quiz menos maçante misturando perguntas sobre conhecimento geral, cultura pop e até sobre a empresa, além de perguntas sobre compliance e ética.

Aproveitar redes sociais

As redes sociais são uma presença constante na vida dos seus funcionários. Por que não aproveitar elas para as ações do compliance? Você pode criar grupos no Facebook para compartilhar novidades, por exemplo.

Outra boa opção é compartilhar os resultados e o engajamentos dos funcionários e equipes nas redes, como no Linkedin, onde funcionários gostam de interagir e compartilhar seus sucessos de trabalho.

Dica: O clickCompliance tem uma funcionalidade para compartilhamento de certificados dos treinamentos nas redes sociais. Outra forma de estimular isso é estimular gestores a interagir com esses posts, comentando e curtindo.

Dia de filmes

Nessa atividade, a sua equipe pode escolher um filme que seja relacionado a questões de ética nos negócios e assistir com algum grupo de funcionários. Depois, pode ser distribuídos um questionário rápido que enaltece as questões éticas que o filme abordou.

Outra opção é levantar essas questões em forma de tópico e pedir que os grupos os discutam, as situações, a relevância para a empresa e como eles poderiam agir de forma diferente.

Esse também é um bom momento para um exercício de situação. Crie uma situação parecida como a do filme mas aplicável à sua empresa e peça que os funcionários debatem como deveriam agir.

Dica: Alguns bons filmes que falam sobre fraudes e ética corporativa são: A Rede Social, O Lobo de Wall Street e A Grande Aposta.

Campanhas e parcerias

O “Compliance Week” (como a feita por um cliente do clickCompliance, a A.Yoshii), é uma campanha muito aplicada pelas empresas para dedicar uma semana à conscientização da importância do compliance. Nela pode ser feitos esses jogos, palestras, lançamento de ferramentas, e mais.

É uma oportunidade de ter a atenção de toda a empresa e estabelecer a sua imagem como uma equipe engajada, pronta para ajudar e tirar dúvidas, e criativa.

Dica: Converse com o setor de marketing e RH da sua empresa. Ambos são experientes em fazer campanhas internas e na comunicação com os funcionários. Também sabem utilizar redes e outros meios de divulgação.


 
0

Fique por Dentro, Programa de Integridade
2020 foi um ano muito particular. Mas foi especialmente diferente pelo seu impacto nas empresas e no formato de negócios e de produção. As equipes de compliance também foram fortemente afetadas pelas mudanças, como o trabalho remoto. Não é à toa que as principais tendências do compliance para 2021 que nós estamos prevendo estão relacionadas a isso.

1. Computação em nuvem

Não tem como negar mais a incorporação da computação em nuvem no trabalho diário das equipes de compliance. Com equipes, e até empresas inteiras, migrando para o home office, é preciso aprender a aproveitar ao máximo ferramentas que antes eram apenas de suporte.

A tendência é corporações perceberem benefícios da descentralização dos funcionários. Por isso, recomendamos que o compliance passe a conhecer mais a fundo as opções disponíveis nas soluções de nuvem. Pode incluir funcionalidades nos serviços de vídeo chamada, compartilhamento de documentos ou ferramentas específicas.

É importante começar a imersão nas soluções de nuvem para não perder produtividade, nem a integração do trabalho do compliance. Não só lidam com questões sensíveis que precisam de processos bem alinhados, como também já passam por dificuldades em conseguir se comunicar efetivamente com toda a empresa no formato presencial, quanto mais estando à distância.

2. Sistemas de compliance

Nessa mesma linha, não só os processos básicos devem passar a serem digitais, como cada ano cresce a quantidade de equipes de compliance usando algum tipo de sistema de compliance. Agora com o aumento do trabalho remoto, esse crescimento deve ser ainda mais forte.

Nesse caso, diferente de ter só meios de comunicação e outros processos diários na nuvem, existe uma ferramenta que centraliza procedimentos específicos do compliance. Assim, toda a equipe tem acesso fácil aos mesmos números, documentos e outras ferramentas do compliance.

Um exemplo dessa centralização é ter a gestão de políticas, canal de denúncias e treinamentos no mesmo lugar. Além disso, com todos os funcionários espalhados, é ainda mais difícil fazer comunicações e cobranças por e-mail. E além de ser difícil, é desorganizado, correndo o risco de perder informações e decisões importantes.

Tudo isso sem contar os benefícios que antes da pandemia já estimulavam uma digitalização do compliance através de ferramentas, como integrações, relatórios detalhados, automatização, etc.

3. Proteção de dados

A proteção de dados estava em alta nos últimos anos, chegando no Brasil agora com a LGPD. No entanto, a pandemia tornou ainda mais urgente os setores de compliance estarem de olho na proteção de dados.

Sem poder sair de casa, a quantidade de transações online feitas aumentou exponencialmente ao longo da pandemia. Isso aumenta muito a quantidade de dados expostos. Isso aumentou também a quantidade de fraudes.

As fraudes e tentativas de golpes em instituições bancárias tiveram alta de 80% durante a pandemia do coronavírus, segundo uma pesquisa feita pela Federação Brasileira de Bancos (FEBRABAN).

Além disso, com o aumento do home office, é preciso colocar salvaguardas eficazes de proteção do trabalho dos funcionários na nuvem, por exemplo. O ambiente é muito seguro, mas deve ser bem configurado para que isso seja verdade.

4. Compliance digital

A última tendência também já estava em vista nos últimos anos, mas a urgência aumentou ainda mais em 2020: o compliance digital. O momento é agora de começar a colocar procedimentos específicos de compliance em ação na sua empresa.

O primeiro passo é identificar onde estão as vulnerabilidades através de uma análise de riscos. Com isso feito, é preciso criar políticas para que seus funcionários entendam as novas regras e a importância de se ater a elas. Recomendamos políticas de segurança de dados, trabalho remoto, adaptações ao código de conduta e qualquer outra política que seja necessária.

Por último, 2021 deve ser o ano dos treinamentos sobre tudo que é digital. Só assim será possível garantir que seus funcionários estão sabendo como agir para proteger dados, como utilizar aplicações em nuvem, como agir em home office de acordo com as regras da empresa, e mais.
0