Português
  • Português
Your address will show here +12 34 56 78
Canal de Denúncias, Como fazer, Governança de Documentos, LGPD, Treinamento de Compliance
2020 foi um ano com muitas novidades e complicações. Para as equipes de compliance não foi diferente, e 2021 vai ser mostrar um ano agitado e cheio de novos planos e inovações baseado nas mudanças do último ano. Mas de todas essas novidades, tem uma que vai dominar o compliance em 2021: o compliance digital.

O principal motivo para essa novidade é o disparo na quantidade de fraudes digitais no último ano, causado por dois fatores: o aumento do home office e a passagem de muitos processos do dia a dia para o ambiente digital (como compras online).

O aumento de fraudes em 2020

Diversas pesquisas demonstram que 2020 foi um ano de aumento de fraudes digitais. Por exemplo, de acordo com o a Federação Brasileira de Bancos (FEBRABAN), as fraudes e tentativas de golpes em instituições bancárias tiveram alta de 80% durante a pandemia COVID-19.

Já a revista Exame divulgou em junho que São Paulo fechou mais de 1.500 empresas por suspeitas de fraudes na pandemia. Além disso, um levantamento realizado pela Check Point, indicou que os crimes cibernéticos aumentaram em 60% no primeiro semestre de 2020, um ponto crítico da pandemia.

E os crimes desse tipo não são só prejudiciais a indivíduos. Também são muito prejudiciais às corporações. Tanto que, segundo a McAfee, só no Brasil as empresas perdem cerca de US$ 10 bilhões anualmente por conta de cibercrimes.

Se pessoas e empresas não se atentarem a aprender mais sobre segurança digital e de dados, a previsão é de que os crimes cibernéticos gerem um prejuízo de US$ 6 trilhões à economia global em 2021.

Compliance digital e proteção de dados: aprendendo com casos reais

Além de tudo isso, 2020 foi palco de alguns dos maiores e mais surpreendentes casos de fraude digital. Por um lado, é uma previsão do que está por vir em relação à maior criatividade dos riscos de fraude e roubo de dados. Por outro, é uma oportunidade de aprendermos e nos prepararmos melhor para as possibilidades.

Os dados sensíveis do ex-primeiro-ministro australiano

Um caso de fraude ou roubo de dados pode ser extremamente simples, como o que aconteceu em 2020 com o ex-primeiro-ministro australiano Tony Abbott. Um cidadão (bem intencionado, felizmente) descobriu o número de passaporte, telefone e outros dados sensíveis do político usando apenas as informações do cartão de bordo de um voo que ele postou na rede social Instagram.

O caso evidenciou as fragilidades e buracos em toda a estrutura do site da companhia aérea que permitiu que isso acontecesse. Se o objetivo fosse malicioso, poderia ainda acarretar em sérios problemas para a empresa que não identificou essa possibilidade de vazamento de dados em seu site tão facilmente.

O Twitter hackeado por um adolescente

O exemplo acima foi um caso inofensivo que foi uma lição de análise de riscos digitais. No entanto, esse tipo de insegurança de dados pode levar a consequências mais sérias, como um adolescente de 17 anos hackeando a conta do Twitter do homem mais rico do mundo.

Para conseguir o acesso à conta do CEO da Amazon, Jeff Bezos, o hacker utilizou técnicas como engenharia social para alcançar o painel de administradores do Twitter. Isso em si já é sério, no entanto foi agravado por uma falha na segurança digital da rede social: até funcionários de baixo escalão tinham direitos de acesso a todos os usuários da rede.

Com esse acesso, o hacker fez um post na conta do Jeff Bezos com um link para fazer depósito em uma conta de Bitcoin, alegando que retribuiriam o valor dobrado como ação filantrópica. Com isso, arrecadaram mais de $100 mil.

O que fazer?

Felizmente, vários conceitos básicos do programa de compliance podem ser replicados em uma estratégia de compliance digital. A seguir, mostramos como isso pode ser feito.

Parceria entre compliance e TI

O primeiro passo para garantir segurança de dados na sua empresa é formar uma parceria entre a equipe de compliance e a TI da empresa. Os exemplos que citamos eram vulnerabilidades na forma como os sites foram construídos (mas podem ser em produtos digitais e outros meios), e tradicionalmente fora do escopo de análise e especialidade do compliance.

O compliance precisa usar casos como esses que contamos como exemplo para as equipes de tecnologia. Além disso, deve explicar leis referentes à proteção de dados, para que desenvolvedores fiquem de olho para possíveis falhas, e também para que saibam o que procurar na hora de fazer análises de riscos.

Políticas corporativas

Políticas corporativas boas e bem distribuídas são um instrumento fundamental para ajudar funcionários de todos os tipos saberem como agir em relação a segurança de dados.

Por exemplo, funcionários não devem clicar em links suspeitos ou fazer compras pessoais utilizando o computador da empresa ou no e-mail corporativo, não devem discutir informações sensíveis de clientes em canais não seguros, produtos devem ser construídos conforme o Privacy by Design, etc.

Treinamentos de compliance

Depois das políticas, os treinamentos de compliance são a principal ferramenta para consolidar o conteúdo das políticas. É possível mostrar exemplos de situações do dia a dia em que funcionários poderiam se encontrar.

Através de storytelling e treinamentos engajadores, funcionários aprendem como eles devem agir nessas situações apresentadas.

Canal de denúncias

O canal de denúncias também pode ser utilizado especificamente na sua estratégia de compliance digital. Por exemplo, no caso do ex-primeiro-ministro australiano, o cidadão que encontrou a falha de segurança levou vários meses para conseguir compartilhar o que descobriu com a empresa aérea e com a vítima.

Em vez de perder tempo com diversas ligações telefônicas e e-mails com diversas organizações, se tivesse um canal de denúncias funcional e a fácil acesso, tudo poderia ter sido investigado e resolvido em bem menos tempo.


 
0