Português
  • Português
Your address will show here +12 34 56 78



A Inovação Disruptiva descreve um processo pelo qual um produto ou serviço inicialmente se desenvolve marginalmente em um mercado — normalmente por ser menos caro e mais acessível — e, em seguida, torna-se dominante, eventualmente desbancando concorrentes estabelecidos.
 


Cunhado no início da década de 1990 pelo professor da Harvard Business School, Clayton Christensen, o termo tornou-se onipresente de Wall Street ao Vale do Silício. Consequentemente, é também um dos termos mais mal compreendidos e mal aplicados no léxico empresarial. 
 


Inovações disruptivas não são tecnologias inovadoras que melhoram os bons produtos; em vez disso, são inovações que tornam os produtos e serviços mais acessíveis, tornando-os disponíveis para uma população maior.
 

 

Tecnologias disruptivas compliance

 

Qual a Principal Característica de Uma Inovação Disruptiva?  

A inovação disruptiva não é o processo de melhorar ou aprimorar produtos para o mesmo público-alvo; em vez disso, envolve as tecnologias usadas para torná-las fáceis de usar e disponíveis para o mercado maior e não direcionado.  

Um exemplo de inovação disruptiva é a introdução de downloads de música digital, que, de longe, substituíram os CD’s. 

 

Tecnologias sustentáveis foram aquelas que permitiram que uma empresa melhorasse gradualmente suas operações em um prazo previsível. Essas tecnologias e a forma como foram incorporadas ao negócio foram projetadas principalmente para permitir que as empresas permanecessem competitivas, ou pelo menos mantivessem um status quo.  


As tecnologias disruptivas e a forma como estão integradas — as inovações disruptivas — foram menos fáceis de planejar e potencialmente mais devastadoras para as empresas que não prestaram atenção suficiente a elas.
 

 

Outras características da inovação disruptiva: 

  1. Margens de lucro mais baixas, pelo menos no início. 
  2. Maiores riscos. 
  3. Ou interrompe um mercado existente ou cria um segmento de mercado. 
  4. Argumentos de vendas e medidas de valor geralmente são fundamentalmente alterados. 
  5. Muitas vezes envolve novas tecnologias e/ou um novo modelo de negócio. 
  6. Acontece lentamente no início até chegar ao mainstream depois do qual cresce. 

 

Qual a Importância da Inovação Disruptiva? 

 

Investir em uma inovação disruptiva pode ser complicado. Exige que o investidor se concentre em como as empresas se adaptarão à tecnologia disruptiva, em vez de focar no desenvolvimento da própria tecnologia.  


Empresas como Amazon, Google e Meta (ex-Facebook) são exemplos de empresas que se concentraram fortemente na internet como uma tecnologia disruptiva.
 

 

Como a disrupção difere da inovação? Há alguns cruzamentos entre os dois, mas também há diferenças. Assim como todos os polegares são dedos, mas nem todos os dedos são polegares, todos os disruptores são inovadores, mas nem todos os inovadores são disruptores. 


Disruptores e inovadores são semelhantes na forma como criam e fazem ideias, itens, produtos ou serviços. No entanto, a principal diferença é que um disruptor não apenas cria algo ou melhora em um processo; eles literalmente mudam a indústria e alteram a maneira como pensamos, nos comportamos e agimos sobre uma determinada ideia, item, produto ou serviço.
 

 

tecnologia disruptiva compliance

 

Qual a Relação do Tema Com o Compliance? 

 

Uma pesquisa de 2019, divulgada pela IDC, previu que mais de 60% do PIB global seria digitalizado até 2022. E, que cerca de US$ 7 trilhões em investimentos serão injetados no setor de TI, impulsionando ofertas digitalmente aprimoradas que proporcionarão crescimento em todos os setores.  

 

Com um crescimento projetado como esse, é fundamental que as organizações entendam os riscos apresentados por essas tecnologias em ascensão para que os profissionais em gestão de riscos, segurança corporativa e segurança da informação possam começar a construir estratégias e iniciativas para preparar seus negócios para abraçar e aproveitar ao máximo essas tecnologias.   

 

  • Conformidade e Violações Legais  

Consumidores e reguladores esperam que as empresas identifiquem, resolvam e atenuem os riscos em torno da privacidade e proteção dos dados dos consumidores na nuvem. 

Embora isso signifique manter-se a par da legislação atual e futura de proteção de dados, as medidas de conformidade e mitigação de riscos precisam se estender além de simplesmente cumprir a legislação.  

 

  • Privacidade do usuário
 

Imagina uma grande empresa enfrentando uma violação que expõe as informações pessoais de milhões de clientes? Através do ataque, os hackers poderiam ter acesso a nomes, números de telefone, e-mails, números de passaporte, detalhes de viagem e informações de pagamento dos clientes.  

Com violações como essa em ascensão, as empresas estão enfrentando a dificuldade de coletar esses dados sem violar a privacidade de seus usuários ou expor suas informações pessoais a atores mal-intencionados. 

 

  • Equidade 

O aprendizado de máquina continua a ser uma forma interessante de tecnologia disruptiva para muitas aplicações, pois oferece a possibilidade de remover vieses humanos da equação ao fazer julgamentos e decisões importantes. No entanto, isso só é eficaz se o conjunto de dados e o modelo estiverem livres de viés. 

 

  • Risco de reputação 

O chatbot “Tay” da Microsoft oferece um conto preventivo de um sistema de IA que se tornou desonesto, criando um grande constrangimento para a empresa. Tay “aprendeu” com suas interações com usuários do Twitter, alguns dos quais a “ensinaram” a fazer declarações extremistas e preconceituosas. O bot foi rapidamente desligado após apenas um dia na plataforma. 

 

  • Chatbots falsificados 

Os impostores podem criar um chatbot malicioso com a marca de um negócio legítimo e colocá-lo em uma loja de aplicativos onde clientes desavisados dessa marca procuram ajuda e baixam o chatbot. A partir daí, eles têm uma linha direta para esse consumidor e todas as informações confidenciais e informações pessoalmente identificáveis. 

 

  • Preocupações Éticas e Legais 

À medida que se tornam mais inteligentes e ganham mais agência, abordar as questões éticas e legais dessas inovações disruptivas será uma preocupação proeminente. Por exemplo, as empresas que estão pesquisando carros automáticos devem lidar com suas próprias versões de dilemas filosóficos, como o problema do bonde.  

Quando um acidente é inevitável, é aceitável que um carro automático desvie seu curso para salvar mais pessoas se isso colocar a vida de seus passageiros em risco? De quem deve ser priorizada a vida – os passageiros do carro ou os pedestres fora do veículo? 

 

  • Maior Complexidade na Internet das Coisas (IoT) 

A Ericsson prevê que haverá 29 bilhões de dispositivos conectados à Internet das Coisas até 2022, desde smartphones e dispositivos GPS até termostatos e torradeiras “inteligentes”. Este crescimento maciço de IoT oferece bilhões de novos vetores de ataque para atores mal-intencionados. 

 

  • Segurança Pública 

As violações dos dados pessoais e financeiros dos clientes são devastadoras o suficiente, mas as repercussões são limitadas ao indivíduo. O que acontece quando os invasores são capazes de invadir uma rede IoT que gerencia a infraestrutura pública? Desde hackear semáforos até derrubar usinas, as possibilidades são extensas, e os riscos são graves. 

 

 

0