Your address will show here +12 34 56 78

Canal de Denúncias

Dados mostram cenário de desigualdade entre homens e mulheres no mercado de trabalho nacional. Veja como o compliance pode ajudar.

Se engana quem pensa que o assunto sobre a desigualdade entre homens e mulheres no mercado de trabalho já está resolvido. Na verdade, estamos bem longe de uma realidade equânime para as profissionais mulheres.

O índice de paridade salarial entre homens e mulheres no Brasil permanece em 78, numa escala de zero a 100, conforme o levantamento “Mulheres no Mercado de Trabalho”, conduzido pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). Quanto mais próximo de 100, maior é a equidade salarial entre os gêneros.

O que poucas pessoas sabem, entretanto, é como o trabalho de conformidade pode contribuir para enfrentar o problema. Há diferentes pilares de compliance que podem ser aplicados para identificar, monitorar e mitigar as disparidades de gênero nas organizações.

É isso que iremos abordar neste conteúdo, começando por apresentar a realidade de desigualdade entre homens e mulheres e suas consequências. Também discutiremos medidas que as empresas podem adotar para promover a igualdade de oportunidades e tratamento. Por fim, mostraremos como o compliance pode ser um grande aliado na luta contra a desigualdade.

Boa leitura!

Situação de desigualdade entre homens e mulheres no mercado de trabalho

Boletim divulgado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) mostra como é a situação de desigualdade entre homens e mulheres no mercado de trabalho nacional. A seguir, iremos abordar os principais dados revelados pelo estudo: 

Diferença salarial

Apesar da lei de igualdade salarial, aprovada recentemente pelo governo federal, o rendimento médio entre homens e mulheres continua em disparidade. No último trimestre de 2023, as mulheres ganhavam em média 22,3% a menos do que os homens. Veja outros dados sobre a diferença salarial no Brasil:

  • 39,9% das mulheres ganhavam até um salário mínimo, e a porcentagem chegava a 49,4% no recorte entre mulheres negras; 
  • Entre os homens, 29,8% recebiam até um salário mínimo;
  • 35,5% das mulheres com ensino superior completo ganhavam menos do que os homens. 


É importante destacar que, em caso de irregularidades salariais,
você pode e deve denunciar a situação. Para isso, foram criados canais de denúncia que acolhem o relato acerca das violações.

Os canais estão acessíveis por meio dos números de telefone Disque 100, Disque 180 ou Disque 158 e, também, pelo portal do Ministério do Trabalho.

Emprego e desemprego

Quando falamos sobre empregabilidade, houve melhora nos indicadores gerais acerca de profissionais mulheres. Entre 2022 e 2023, houve o acréscimo de 358 mil trabalhadoras no mercado formal. O número de profissionais homens foi de 26 mil. Veja outros dados sobre emprego e desemprego no Brasil:

  • A ocupação entre as mulheres negras cresceu 2,5%;
  • Entre mulheres não negras, a ocupação cresceu 0,7%;
  • Para os homens, o crescimento foi de 1,6%; 
  • As mulheres representam 64,6% das pessoas desempregadas no país. 


Os avanços são positivos, mas
o Dieese alertou que ainda há muita disparidade. Enquanto a participação dos homens no mercado de trabalho parece ter retornado ao mesmo nível pré-pandêmico, para as mulheres não é bem assim. Elas ainda encontram dificuldades para se reintegrar.

Subocupação

Outro aspecto analisado pelo Dieese foi a subocupação. Os dados mostram que a proporção de mulheres que trabalham menos de 40 horas por semana, mas desejariam trabalhar mais, foi maior do que a dos homens. Confira:

  • 6,2% das mulheres estavam em situação de subocupação no quarto trimestre de 2023;
  • O percentual de mulheres negras subocupadas foi de 7,3%.


O Dieese ressalta que a fragilidade da posição das
mulheres negras no mercado de trabalho é evidente quando se observa que elas trabalham menos horas do que gostariam ou precisam, além de receberem salários mais baixos.

Informalidade e precarização

No último trimestre de 2023, havia mais homens trabalhando na informalidade do que mulheres. O trabalhador informal é aquele que realiza atividades sem vínculos empregatícios ou registros, como a carteira de trabalho.

Qual é o problema da informalidade? A informalidade afeta a qualidade do trabalho, prejudicando o acesso aos direitos trabalhistas e aos rendimentos dos trabalhadores.

Confira alguns dados sobre informalidade no país:

  • 32,5% dos trabalhadores na informalidade são homens; 
  • A maioria dessas pessoas é negra, representando 41% das mulheres e 43,2% dos homens.

Falta de representação em cargos de liderança

Outro grande problema na situação de desigualdade entre homens e mulheres no mercado de trabalho é a falta de representação em cargos de liderança. Também no último trimestre de 2023, os dados mostram um cenário que está muito distante da igualdade. Veja abaixo:

  • Apenas quatro em cada dez pessoas ocupando posições de diretores ou gerentes eram mulheres;
  • O salário médio das mulheres em cargos de liderança foi 29,5% menor que dos homens na mesma posição.


 

Consequências da desigualdade

Há muitas consequências negativas da desigualdade de gênero no mercado de trabalho. O problema afeta, sobretudo, as esferas social e econômica, impactando a sociedade e o seu futuro.

Continuidade da desigualdade

Talvez essa seja a consequência mais óbvia, afinal, a disparidade das condições de emprego para os gêneros pode perpetuar a desigualdade. Isso é um problema estrutural, capaz de afetar gerações futuras, uma vez que pode prejudicar o desenvolvimento econômico e social do país.

Prejuízo na economia

A situação também causa prejuízo econômico. O último censo demográfico do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indicou que mais mulheres do que homens no país. Imagine toda essa força de trabalho sendo desvalorizada? Isso limita a geração de renda e o potencial de inovação e produtividade, além de contribuir para um ritmo mais lento do crescimento econômico.

Impactos na Previdência Social

A disparidade salarial e a menor participação das mulheres no mercado de trabalho também afetam diretamente suas contribuições previdenciárias. Isso acontece porque as contribuições das mulheres para a Previdência Social acabam sendo menores, o que pode comprometer a segurança financeira na aposentadoria.

Impactos na saúde mental

Não é muito difícil enxergar que a saúde mental das mulheres brasileiras está em uma situação grave. Isso também se deve à desigualdade entre homens e mulheres no mercado de trabalho, além de outros fatores, como o acúmulo de funções e o trabalho invisível da rotina dessas mulheres.

O levantamento da CNI constatou que o tempo destinado às atividades domésticas e de cuidados com familiares é muito maior entre as mulheres. Enquanto aquelas com emprego gastam mais de 17 horas semanais, os homens usam apenas 11 horas da semana para o mesmo fim. 

 

Como evitar a desigualdade entre homens e mulheres na empresa?

Há medidas que podem ser tomadas para ajudar a evitar a desigualdade entre homens e mulheres na sua empresa. Confira:

  • Tenha uma equipe igualitária que valorize a diversidade e a inclusão e garanta oportunidades de crescimento e desenvolvimento para homens e mulheres em todos os níveis hierárquicos da empresa; 
  • Tenha espaços de amamentação e recreação para crianças e ofereça horários flexíveis para mães com filhos na creche. Isso facilita a conciliação entre trabalho e vida familiar, o que proporciona um ambiente acolhedor para funcionárias que são mães; 
  • Tenha salários igualitários. É importante que homens e mulheres que desempenham funções semelhantes recebam salários justos e equitativos;
  • Ofereça palestras sobre igualdade entre homens e mulheres que tenham como foco a conscientização e prevenção de possíveis preconceitos. 



Compliance no combate à desigualdade entre homens e mulheres nas empresas

Diante do cenário de desigualdade entre homens e mulheres nas empresas, o compliance surge como uma forma de combate. Veja algumas estratégias de conformidade que podem ajudar:

Implantar canal de denúncias

O canal de denúncias é uma ferramenta que contribui para um ambiente de trabalho mais saudável e ético. Com uma plataforma confidencial e acessível, os funcionários podem relatar casos de discriminação de gênero, assédio moral ou sexual e outras irregularidades.

Porém, o canal de denúncias por si só não é o suficiente. A empresa precisa estar disposta e preparada para tomar medidas cabíveis e solucionar o problema. Cabe aos profissionais de compliance acolherem os relatos e iniciarem a investigação. Caso a denúncia seja confirmada, será necessária a aplicação das sanções previstas pela organização.

Quer saber mais? Conheça o primeiro canal de denúncias via WhatsApp que utiliza Inteligência Artificial!

Identificar disparidades

Com a implantação de um programa de compliance eficiente, é possível realizar análises regulares para identificar disparidades de gênero nas políticas, práticas e remuneração. Isso possibilita corrigir quaisquer discrepâncias e promover a igualdade de oportunidades para homens e mulheres.

Promover uma cultura organizacional inclusiva

O programa de compliance permite a construção de uma cultura organizacional mais ética, responsável, transparente e inclusiva. Dessa forma, os funcionários se sentem mais seguros, valorizados e respeitados, independentemente de gênero, origem ou identidade. 

Coletar dados para monitorar mudanças

O compliance também permite coletar dados e monitorar mudanças relacionadas à igualdade de gênero. Por exemplo, a proporção de homens e mulheres em cargos de liderança, os valores de salários e até as taxas de promoção. A análise ajuda a identificar áreas que necessitam de melhoria!






clickCompliance pode ajudar!

Com integrações eficientes e um design profissional, o clickCompliance é um software de compliance que torna o trabalho de conformidade muito mais fácil. Dessa forma, o trabalho de implementação de políticas internas voltadas para a igualdade de gêneros também é beneficiado.

Agende uma demonstração e saiba como nosso software pode contribuir para tornar sua empresa uma aliada na luta contra a desigualdade entre homens e mulheres no mercado de trabalho!

0

Ambiente Corporativo, Ambiente de trabalho, Business, Canal de Denúncias, Ética, Programa de Integridade, Transparência

Entenda o que caracteriza a falta de ética profissional, quais são as consequências para o negócio e como evitar o problema.

A falta de ética profissional é um dos problemas que mais causam preocupação entre líderes e gestores no âmbito corporativo. Comportamentos antiéticos, sejam de menor ou maior gravidade, podem minar o clima organizacional e, claro, causar prejuízos financeiros e danos à reputação das organizações.

Uma das práticas que ajudam no combate às atitudes antiéticas é o estabelecimento de condutas e regras que todo colaborador deve seguir para um ambiente corporativo livre de infrações dessa natureza.

A propósito, a promoção de uma cultura organizacional ética deve ser tratada com seriedade e viés estratégico para a própria saúde do negócio.

Entre os mecanismos usados na prevenção de condutas antiéticas nas organizações está o compliance. Você sabia disso? Não? Então chegou a hora de descobrir o porquê.

Acompanhe este conteúdo e entenda, em detalhes, como a falta de ética profissional pode ser danosa às empresas e como o compliance pode contribuir para sanar o problema.

O que é falta de ética profissional na empresa?

Para começar, vamos buscar compreender o conceito de ética, independente do contexto em que ele está inserido. 

De forma abrangente, a ética diz respeito ao que é considerado moralmente correto, íntegro ou honesto em diversas situações da vida em sociedade. Por isso, ela também se aplica ao mercado de trabalho.

Nesse contexto, a falta de ética profissional diz respeito às condutas equivocadas por parte do funcionário dentro da organização em que atua como, por exemplo:


 

Exemplos de falta de ética profissional

São muitos os exemplos de falta de ética profissional que podem ocorrer no ambiente de trabalho. Para ilustrar, listamos alguns deles. Confira:

Fraudes de documentos

A falsificação, alteração ou manipulação de documentos de qualquer natureza está entre as graves infrações éticas imputadas aos colaboradores, inclusive com a aplicação de sanções previstas em lei. 

Não cumprimento de prazos

Ao não cumprir prazos, o colaborador incide em conduta antiética, prejudicando o desempenho individual, da equipe e da empresa como um todo. É considerado um desvio de natureza comportamental. 

Difamação de colegas

Fazer declarações falsas ou prejudiciais contra outro colaborador é uma conduta antiética. Além de criar conflitos desnecessários, a difamação também contribui para um ambiente hostil, afetando o bem-estar e a produtividade.

Assédios

Os assédios são graves desvios de conduta. Intimidação, linguagem ofensiva, piadas ou comentários degradantes entram nesta categoria. Assédio moral é crime, assim como o assédio sexual, que consiste em qualquer ação de constrangimento ou agressão sexual.  

Ofensas

Ofensas dirigidas aos colaboradores, diretores ou gestores vão contra os valores éticos de qualquer empresa. Além de atingirem a honra, acirram os ânimos e prejudicam o bem-estar geral.

Falta de pagamentos

Ao não cumprir as obrigações financeiras atribuídas ao cargo, o colaborador fere o código de conduta e ética da empresa. Independente se a motivação for intencional ou negligente, a falta de pagamentos pode desencadear graves prejuízos financeiros à organização. 

Furtos

O furto está sujeito à punição legal e é inaceitável em qualquer contexto. Além do prejuízo material, também há a quebra da relação de confiança. 

Negligência com o trabalho

Ao não cumprir com suas responsabilidades e atribuições, o colaborador está negligenciando o trabalho para o qual foi contratado. Este comportamento fere a ética profissional, causando prejuízos à companhia.

Fraudes contra Fisco

Além de ser uma conduta antiética, a fraude contra o Fisco é passível de punições legais. A prática consiste no fornecimento de informações falsas às autoridades fiscais. 

Recebimento de propinas

Por fim, podemos citar, ainda, o recebimento de propina, que consiste na conquista de vantagens indevidas, como mais uma conduta que fere a ética profissional. A prática também figura no rol de crimes passíveis de sanções legais. 



Como evitar a falta de ética profissional na empresa

Acabamos de ver algumas condutas que configuram falta de ética no ambiente profissional, certo? Agora chegou a hora de conhecer ações e mecanismos que podem ser implementados a fim de coibir esses comportamentos em nome da boa reputação das companhias. Confira:

Coloque em prática um programa de compliance

De todas as ferramentas capazes de prevenir, detectar e corrigir condutas antiéticas no ambiente corporativo, os programas de compliance têm se mostrado altamente eficazes.

O compliance é a melhor solução para prevenir a falta de ética profissional e manter a transparência nos processos e na relação com os colaboradores.

Ao aderir ao compliance, as organizações contam com um aliado poderoso para evitar prejuízos financeiros e danos à reputação. 

Tenha um canal de denúncias eficiente

Outra ferramenta bastante útil é o canal de denúncias. Por meio dele, é possível relatar irregularidades que acontecem no ambiente corporativo de forma anônima. As denúncias seguem para a averiguação do setor de compliance, responsável por solucionar os problemas em questão. 

Crie normas de conduta

As empresas devem prezar pela transparência na relação com os colaboradores. Diante disso, a criação de normas de conduta é outro mecanismo útil para a prevenção de condutas antiéticas

Ofereça treinamentos

Para garantir que as normas de conduta que foram criadas não fiquem apenas no papel, é importante oferecer treinamentos de compliance. Além de informar sobre as regras internas, a capacitação pode abordar dilemas éticos dentro e orientar sobre qual é o comportamento adequado em cada situação.

Seja através de workshops ou seminários, disseminar o conhecimento sobre atitudes éticas no trabalho contribui para fortalecer uma cultura organizacional responsável. 

Divulgue constantemente a cultura da empresa

Dar visibilidade à cultura da empresa ajuda a comunicar de forma mais clara as diretrizes éticas da organização. O papel pode ser muito bem desempenhado pelos setores de RH, comunicação e compliance.

Mantenha uma organização transparente

Promover uma gestão transparente, com condutas bem definidas e aberta ao feedback, também é uma forma de propagar os valores éticos da empresa. Esta condução atrai a confiança dos colaboradores e promove o engajamento.   

Tenha planejamento para gestão de crise

Quando a reputação de uma empresa é atacada, algumas ações urgentes tornam-se necessárias. Por esse motivo, é essencial contar com um planejamento de crise para saber como agir em contextos mais dramáticos. 







Saiba como o clickCompliance pode ajudar

O compliance assegura o cumprimento das leis vigentes a partir da criação de políticas internas claras e abrangentes para a prevenção de condutas antiéticas dentro das organizações. Portanto, é um mecanismo mais do que necessário para proteger o patrimônio e a reputação das empresas.

O clickCompliance é um software que realiza a gestão do programa de compliance de forma ágil e eficiente, a partir da otimização dos processos e uso da tecnologia. Quer saber mais como a ferramenta pode contribuir para promover as diretrizes éticas da sua empresa? Agende uma demonstração!

0

Canal de Denúncias, Fique por Dentro, Transparência, Treinamento de Compliance

Entenda tudo sobre a regulamentação das apostas esportivas no Brasil e como o compliance pode ajudar na fiscalização das empresas

A regulamentação de apostas esportivas no Brasil vem dividindo opiniões. Essa atividade envolve a previsão de resultados de eventos esportivos e a realização de apostas em dinheiro sobre esses resultados. Apesar de ser popular em vários países, ainda não é regulamentada aqui.

Nesse momento você pode estar se perguntando: “então, como tantos sites divulgam jogos de aposta esportiva?”. Mesmo sem a regulamentação devida, muitas plataformas que veiculam propagandas no Brasil pertencem a empresas estrangeiras.

Mas isso
pode mudar em breve. Isso porque existem alguns projetos de lei e medidas provisórias que estão tramitando no Congresso Nacional e que pretendem estabelecer um marco legal para as apostas esportivas no país.

Mas como será essa regulamentação? Quais serão os benefícios e os desafios que ela trará? E qual será o papel do compliance nesse cenário?

Se você se interessa pelo assunto e deseja saber mais, continue a leitura!

Como será a regulamentação das apostas esportivas no Brasil?

O debate sobre a regulamentação das apostas esportivas no Brasil não é novidade. Na verdade, essa questão vem sendo debatida há anos e ganhou força em 2018. Na época, o presidente Michel Temer sancionou a Lei 13.756/18.

A lei determinou que as apostas seriam uma modalidade de loteria, liberada tanto para o setor público quanto para o privado. Entretanto, não definiu critérios, condições e procedimentos específicos para a sua regulamentação.

Outros projetos de lei foram apresentados no Congresso Nacional, com o objetivo de complementar ou alterar a lei de 2018. Entre eles, destacam-se:

  • Medida Provisória 1.182/2023;
  • Projeto de Lei 442/1991;
  • Projeto de Lei 14.790/23.

Veja algumas medidas gerais que estão sendo implementadas e devem começar a valer ainda neste ano:

  • Fiscalização ativa;
  • Legalidade;
  • Impostos ao governo;
  • Medidas contra crimes de lavagem de dinheiro;
  • Participantes das apostas (nem todos poderão participar);
  • Prevenção do vício em jogos.


Leis e projetos de regulamentação das apostas esportivas no Brasil

Depois de um panorama geral sobre a situação da regulamentação das apostas esportivas, agora vamos te explicar os principais pontos de cada uma das leis e dos projetos de lei.

Continue a leitura!

Medida Provisória 1.182/2023

A Medida Provisória 1.182/23 altera a primeira lei sancionada em 2018 por Michel Temer. Na época da divulgação dessa MP, a então ministra do Esporte, Ana Moser, explicou:

“Ao regulamentar as apostas esportivas, vamos coibir a manipulação de resultados e, sobretudo, preservar a integridade esportiva, no seu sentido mais amplo, enaltecendo os valores do esporte como uma referência para toda sociedade.”

Alguns aspectos da lei foram alterados, o que pode impactar a forma que as apostas vão ocorrer no Brasil. As mudanças incluem:

  • Aumento da alíquota do Imposto de Renda sobre os prêmios;
  • Fiscalização deverá ser feita pela Secretaria de Avaliação, Planejamento, Energia e Loteria do Ministério da Economia;
  • Deverão ser realizadas em moeda nacional ou em moeda estrangeira conversível;
  • Poderão ocorrer por meio de qualquer plataforma de distribuição.

Projeto de Lei 442/1991

O Projeto de Lei 442/1991 propõe a legalização de todas as formas de jogos de azar no país, incluindo as apostas esportivas. Ela inclui:

  • Jogo do bicho;
  • Cassino;
  • Bingos;
  • Apostas esportivas. 

Empresas privadas também poderão explorar os jogos de azar, mediante autorização do Poder Executivo, que poderá estabelecer as condições e as exigências para a concessão.

Além disso, o projeto determina que os jogos de azar sejam fiscalizados pelo Conselho Nacional de Jogos (Conaj). Parte da arrecadação desses jogos deverá ser destinada aos fundos de Seguridade Social, Cultura, Esporte e Segurança Pública.

Lei 14.790/23

A Lei 14.790/23 foi aprovada em dezembro de 2023 e permite que empresas privadas possam realizar apostas esportivas. A fiscalização deverá ser feita pela Agência Nacional de Apostas Esportivas (ANAE).

Entre as mudanças estabelecidas pela lei, estão:

  • Empresas têm a opção de atuar tanto online quanto em locais físicos;
  • Elevação da idade mínima para participar de apostas;
  • Restrição da publicidade voltada para menores;
  • Exigência de identificação dos participantes das apostas.

 


Benefícios da regulamentação das apostas esportivas no Brasil

Os benefícios da regulamentação das apostas esportivas no Brasil podem ser vistos tanto do ponto de vista econômico quanto do ponto de vista social. Veja alguns dos principais!

Dará segurança jurídica

Com a regulamentação, tanto os usuários quanto os donos da empresa terão maior segurança jurídica. Ao definir regras e responsabilidades mútuas, a probabilidade de ocorrer qualquer conflito ou problema fica bem menor

Promove arrecadação 

Outro ponto de vantagem é a arrecadação de impostos e de taxas para o Estado. Segundo o Ministério da Fazenda, um mercado de apostas regulado tem o potencial de gerar uma arrecadação anual estimada entre R$ 6 bilhões e R$ 12 bilhões.

Imagine uma porcentagem desse valor investida em áreas prioritárias, como programas sociais, segurança pública, esporte e cultura!

Incrementa a geração de empregos

Hoje, no Brasil, temos cerca de 8,2 milhões de pessoas desempregadas, de acordo com o IBGE. Com a regulamentação das apostas esportivas, muitos novos empregos podem ser gerados, tanto na área de tecnologia quanto na área de serviços.

Oferece maior índice de confiabilidade

Com a regulamentação e a fiscalização do governo, as apostas esportivas poderão oferecer maior confiabilidade para todos. Isso garante que elas sejam realizadas de forma transparente, segura e justa.

A regulamentação também estabelecerá mecanismos de proteção aos dados pessoais e financeiros dos usuários. Além da prevenção e combate ao crime de lavagem de dinheiro. 

Melhora identificação de apostadores

Além disso, a regulamentação das apostas esportivas melhora a identificação de apostadores, pois exigirá que eles se cadastrem nas plataformas de apostas.

Essa vantagem está diretamente relacionada à anterior, pois é necessário ter confiança que não ocorrerá nenhum vazamento de dados pessoais

Reduz riscos de crimes

Por fim, um dos benefícios mais importantes e interessantes para toda a população. A regulamentação reduz riscos de crimes, pois desestimula o funcionamento e a proliferação de sites e de casas clandestinas de apostas.

Também dificulta fraudes corporativas e manipulações que podem comprometer a integridade do esporte.

 

O que o compliance pode fazer na regulamentação das apostas esportivas no Brasil?

Os princípios do compliance incluem assegurar que a empresa esteja em conformidade com leis, normas, regulamentos e políticas internas e externas que regem suas atividades.

Isso implica aderir a padrões éticos, priorizar transparência e responsabilidade social, entre outros aspectos.

No cenário de apostas esportivas, podemos dizer que o compliance tem um papel fundamental. Mas por quê?

É isso que estamos respondendo a seguir!

Manter canal de denúncias eficiente

Uma das formas do compliance ajudar na regulamentação de apostas esportivas é através do canal de denúncias. Um espaço seguro em que usuários, funcionários, parceiros e órgãos relacionados possam reportar qualquer suspeita ou evidência de violação das normas.  

Atendimento a usuários

Um bom sistema de compliance também presta atendimento aos usuários, esclarecendo dúvidas, orientando sobre as regras, limites e responsabilidades das empresas de apostas esportivas. Além disso, podem oferecer suporte em caso de problemas e até aceitar sugestões. 

Prevenção à lavagem de dinheiro

O especialista em compliance é treinado para conhecer todas as etapas de lavagem de dinheiro. Por esse motivo, o compliance pode ajudar na prevenção desse crime, que consiste em ocultar ou dissimular a origem ilícita de recursos financeiros, por meio de operações que aparentam ser legais. 

Integridade das apostas 

Uma forma de garantir a integridade das apostas é por meio de treinamentos de compliance, pois eles podem assegurar que todos os envolvidos trabalhem de forma transparente e segura.

Além disso, é possível implementar sistemas de inteligência e de análise para detectar e prevenir fraudes, manipulações e irregularidades nas apostas.

Prevenção à manipulação de resultados

Além disso, o compliance pode prevenir a manipulação de resultados, que é o ato de influenciar o desfecho de um evento esportivo, de forma intencional e ilegal, para obter vantagens nas apostas.

Infelizmente isso é comum e a gestão de compliance pode ajudar com medidas de monitoramento do desempenho de atletas e da movimentação das apostas, por exemplo.






Conheça o clickCompliance!

Ter um sistema de compliance é indispensável para uma boa empresa de apostas esportivas. O clickCompliance pode ajudar nessa tarefa!

Com integrações eficientes e um design profissional, nosso software torna a implementação do compliance muito mais simples e eficaz.

Agende uma demonstração agora mesmo!

0

Compliance, responsabilidade social e inclusão precisam andar juntos para garantir um melhor desenvolvimento da empresa.

O Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC) defende que o futuro de qualquer organização envolve a adoção de uma política de ESG, sigla que vem do inglês Environmental, Social and Governance, expressão que pode ser traduzida para Ambiental, Social e Governança.

Mas o que isso significa na prática?

A política ESG pode ser compreendida como um compromisso com o desenvolvimento corporativo sustentável, destacando boas práticas ambientais, sociais e de governança.

Para isso, é necessário que a empresa atue com responsabilidade social, respeite a diversidade e a inclusão.

Neste conteúdo, vamos explicar o que é responsabilidade social e inclusão e como os conceitos estão relacionados ao compliance social. Você também vai saber como aplicá-los no dia a dia da sua empresa.

Ficou curioso? Então continue lendo e descubra como o compliance pode ajudar a sua empresa a ser mais responsável e inclusiva.

Definição de responsabilidade social

Responsabilidade social é um termo que ganhou destaque no cenário corporativo, principalmente, durante a última década. Mas afinal, o que significa ter responsabilidade social?

Na realidade, trata-se de assumir o compromisso de contribuir para o desenvolvimento sustentável da sociedade, respeitando os direitos humanos, o meio ambiente e as leis. É uma forma de gerir o negócio de maneira ética e com transparência, buscando gerar valor para todos os públicos que são afetados ou influenciam a empresa.

Há diferentes tipos de responsabilidade social:

Empresarial

A responsabilidade social empresarial se refere às ações que buscam melhorar a gestão interna, por exemplo:

  • Oferecer boas condições de trabalho;
  • Capacitar e motivar os colaboradores; 
  • Garantir a saúde e a segurança da equipe;
  • Respeitar os direitos trabalhistas.

Corporativa

Por outro lado, quando falamos de responsabilidade social corporativa, estamos nos referindo às ações que buscam melhorar a relação com o público, o que pode incluir:

  • Fornecer produtos e serviços de qualidade;
  • Respeitar os fornecedores e os concorrentes;
  • Dialogar com a sociedade;
  • Apoiar causas sociais. 

Socioambiental

Por fim, mas não menos importante, a responsabilidade socioambiental se relaciona com ações que têm como foco reduzir os impactos negativos e aumentar os positivos da sua atividade no meio ambiente e na sociedade. Veja alguns exemplos: 

  • Reciclar resíduos;
  • Reduzir a emissão de gases do efeito estufa; 
  • Combater a pobreza;
  • Defender os direitos humanos.



Conceito de inclusão

A inclusão pode ser definida de muitas maneiras, mas neste contexto, estamos falando sobre o processo de garantir que todas as pessoas tenham acesso às mesmas oportunidades. Isto significa garantir que participem plenamente da vida social, econômica, política e cultural, independentemente de suas características pessoais.

Políticas de inclusão são uma forma de valorizar a diversidade e reconhecer que as diferenças são fontes de riqueza e aprendizado, e não de discriminação e exclusão.

A diversidade é um direito humano fundamental, que deve ser respeitado e promovido em todos os âmbitos da sociedade, incluindo as empresas.

 

Práticas de responsabilidade social e inclusão nas empresas

Agora que você já compreendeu os conceitos de responsabilidade social e inclusão, vamos entender como colocá-los em prática na sua empresa. Continue lendo para entender como estas ações se conectam aos princípios do compliance!

Ter um programa de compliance

Ter um programa de compliance é uma forma de demonstrar e exercer a responsabilidade social da empresa. A ação mostra que há preocupação com um trabalho ético e transparente, que respeita as leis, os direitos e os interesses de todos os envolvidos no negócio.

Doações

Fazer doações voluntárias, especialmente para organizações de causas sociais e ambientais, pode ajudar a melhorar a imagem da empresa. Também aumentam a satisfação e o engajamento dos colaboradores, que passam a ter mais orgulho de pertencer à empresa.

As doações também implicam redução de impostos, pois podem ser deduzidas do Imposto de Renda da empresa, de acordo com as leis e os limites vigentes.

Políticas pró meio ambiente

São ações que as empresas adotam para reduzir os impactos negativos e aumentar a influência positiva da sua atividade no meio ambiente. Economizar água, reciclar produtos e reduzir emissões de gases de efeito estufa são alguns exemplos.

Não pense que só indústrias podem fazer essas políticas. Na verdade, um pequeno escritório pode implementar um processo de reciclagem de papel ou uso de copos e canecas individuais para reduzir o uso de plástico.

Gestão trabalhista justa

É uma forma de demonstrar que a empresa se preocupa em valorizar, motivar e reter talentos. Além de indicar que reconhece que os colaboradores são o seu principal ativo e a fonte de sucesso. Uma simples ação como o respeito à carga horária de trabalho pode levar ao aumento significativo na produtividade. 

Educar o público externo

Você já viu as redes sociais de grandes empresas? Já percebeu que elas sempre compartilham conteúdos informativos?

Educar o público externo é uma estratégia excelente para mostrar como a empresa se preocupa em contribuir para o desenvolvimento social, cultural e educacional da sociedade. Isso gera resultados positivos, como o aumento da visibilidade e até da influência sobre o consumidor. 

Investir em consumo consciente

O consumo consciente é uma forma de incentivar e facilitar que os os clientes consumam os seus produtos e serviços de maneira responsável, racional e sustentável. Levando sempre em consideração os impactos ambientais, sociais e econômicos da decisão de compra.

Você pode fazer isso oferecendo produtos que tenham boa qualidade e durabilidade, além de estimular o uso econômico dos mesmos. 

Posicionamento ético

A manifestação dos valores e crenças da cultura organizacional pode mostrar que há uma postura ativa, crítica e transformadora diante dos desafios e das oportunidades da sociedade.

Recrutamento de olho na inclusão

É indispensável realizar processos seletivos de forma aberta e justa, que avaliem os candidatos com base em competências, qualificações e potencial. Nesse momento, é necessário passar a mensagem que o recrutamento será realizado sem preconceito, discriminação ou favoritismo. Você pode fazer isso oferecendo vagas afirmativas para pessoas negras, com deficiência, indígenas e mulheres, por exemplo. 

Acessibilidade funcional e estrutural

Outro ponto indispensável é a acessibilidade funcional e estrutural. Imagine fazer um recrutamento para pessoas com deficiência e não oferecer um espaço acessível para sua locomoção?

Para evitar esse tipo de falha, é necessário garantir que todas as pessoas possam acessar e utilizar espaços, equipamentos, serviços e informações de maneira autônoma, segura e confortável

Políticas internas de combate à discriminação

Ter uma política interna voltada para o combate à discriminação é uma forma de promover a inclusão na empresa. A ação demonstra que a empresa não tolera e não aceita qualquer forma de discriminação, preconceito, intolerância, violência, assédio.

Você pode fazer isso implementando um código de conduta que oriente sobre a postura adequada da equipe.

 

Compliance, responsabilidade social e inclusão

Caso você queira entender mais sobre compliance, o nosso blog está repleto de conteúdos informativos que podem ajudá-lo.

Mas hoje vamos falar sobre a relação íntima entre compliance, responsabilidade social e inclusão. Todos os conceitos têm como premissa garantir que a empresa atue de maneira ética, legal e sustentável, respeitando direitos, interesses e expectativas de todos os stakeholders.

O compliance é o meio pelo qual a empresa pode implantar, monitorar e garantir as práticas de responsabilidade social e de inclusão.

Algumas ações de compliance que podem ajudar a empresa a ser mais responsável e inclusiva são:

Compliance antidiscriminatório

O compliance antidiscriminatório é um conjunto de medidas usadas para garantir que a empresa esteja livre de qualquer prática discriminatória. O objetivo é criar um ambiente que seja justo, respeitoso e inclusivo. 

Para isso, é importante ter:

Compromisso da liderança

O compromisso da liderança é essencial para servir de exemplo e ajudar a promover práticas de compliance, responsabilidade social e inclusão na empresa. Assim, é possível influenciar positivamente os colaboradores e demais partes interessadas.

Atenção ao canal de denúncias

O canal de denúncias é uma ferramenta tão importante que merece uma atenção especial. Ele permite que os colaboradores relatem irregularidades sem medo de retaliação.

O clickCompliance é um software que possui canal de denúncias integrado, confidencial e seguro, o que facilita e automatiza o processo, garantindo a proteção dos denunciantes e uma melhor apuração dos casos.






Conheça o clickCompliance!

Com integrações eficientes e um design profissional, o clickCompliance torna a implementação de políticas voltadas para a diversidade muito mais fácil.

Agende uma demonstração e saiba como nosso software pode contribuir para tornar sua empresa mais responsável e inclusiva!

 

0

Educação, Educação, Educação

Empresas que buscam evolução precisam estar atentas aos conceitos de ética e responsabilidade social para colocarem em prática.


Falar de
ética profissional no ambiente de trabalho remete ao conjunto de princípios e valores que guiam o comportamento dentro de uma organização. 


Já a responsabilidade social se refere ao compromisso de uma empresa com o impacto social e ambiental de suas operações. 


Empresas éticas e socialmente responsáveis buscam a construção de relacionamentos sustentáveis, baseados na confiança com os diferentes públicos. Para isso, adotam práticas que contribuam positivamente para a sociedade e estejam de acordo com as diretrizes de compliance


Esses pilares são determinantes para o sucesso. Por isso, é indispensável compreender o que significa ter uma postura ética e socialmente responsável hoje em dia.  Ficou interessado e quer saber mais sobre o assunto? 


Neste conteúdo, falaremos sobre os benefícios da ética e da responsabilidade social para o crescimento da empresa e como o compliance pode ser um grande aliado na hora de colocá-los em prática. 


Boa leitura!

 

O que é ética nos negócios?

A ética nos negócios representa princípios e valores que vão além das regras legais. Por isso, deve ir além da prevenção de ações antiéticas

 

Na verdade, boas práticas éticas visam promover transparência, integridade e equidade. Para isso, há algumas ações possíveis:

 

 

Também é necessário ter comprometimento contínuo com a melhoria e a avaliação constante de processos e políticas internas. Além disso, a disposição de se adaptar às mudanças no ambiente empresarial que demandam uma postura mais ética é fundamental.


Quais os benefícios da ética nos negócios?

Ter um ambiente de trabalho ético pode trazer inúmeros benefícios à empresa. Vamos detalhar alguns deles abaixo. Continue conosco se quer entender mais sobre o assunto! 

Transparência

Muitas vezes, quando se fala em transparência, as pessoas pensam em uma ideia abstrata. Porém, no mundo corporativo, trata-se de uma prática que envolve a divulgação de informações da empresa de forma verdadeira e ética. Para isso, algumas medidas podem ser tomadas:

 

Prestação de contas sistemática

Garantir a transparência na prestação de contas significa assumir a responsabilidade pelas ações e decisões da empresa perante a sociedade. É como se a empresa dissesse: “Estamos aqui, somos responsáveis pelo que fazemos e queremos que você saiba disso”

 

Veja como colocar a prestação de contas transparente em prática: 

 

  • Realização de relatórios mensais com detalhes financeiros e questões de ESG
  • Divulgação de comunicados internos e newsletters sobre as ações da empresa;
  • Estímulo ao feedback construtivo. 

Engajamento dos stakeholders

Ter um bom engajamento dos stakeholders requer a construção de relacionamentos confiáveis com todas as partes interessadas, o que inclui:

 

  • Pessoas que trabalham na organização;
  • Consumidores, pessoas físicas ou jurídicas, que adquirem os produtos ou serviços;
  • Fornecedores de insumos para a organização;
  • Prestadores de serviços para a empresa;
  • Acionistas;
  • Comunidade do entorno onde a empresa está localizada;
  • Representantes de entidades governamentais que regulam ou interagem com a empresa.

 

Algumas ações que podem ajudar a estreitar os laços com esses stakeholders são:

 

  • Estabelecer um diálogo aberto;
  • Realizar iniciativas sociais;
  • Encorajar a participação nos processos da empresa;
  • Oferecer programas de desenvolvimento para a comunidade local. 

Melhoria da cadeia de fornecimento

Para promover a ética na cadeia de fornecimento, é indispensável escolher parceiros e fornecedores com valores semelhantes aos seus. O alinhamento de interesses e propósitos contribui para garantir a reputação da marca e impulsionar práticas mais justas e sustentáveis. Para isso, é necessário: 

 

Comunicação responsável 

A comunicação é uma via de mão dupla, ou seja, a empresa deve transmitir as informações de maneira responsável e, também, ouvir atentamente as preocupações da sociedade. Para colocá-la em prática, é importante:

 

  • Garantir respostas proativas às críticas;
  • Manter canais de comunicação abertos;
  • Ter mais engajamento com a comunidade local;
  • Assegurar uma comunicação clara com os funcionários.



Como o compliance influencia a ética nos negócios?

O termo compliance refere-se ao conjunto de práticas e procedimentos adotados por uma empresa para garantir que suas operações estejam em conformidade com leis, regulamentos externos e padrões éticos internos. Uma boa gestão de compliance envolve: 

 

  • Políticas internas;
  • Treinamentos e educação sobre leis e políticas; 
  • Monitoramento e auditorias;
  • Mecanismos de relato.

 

Portanto, o compliance assegura que a empresa siga todas as leis e regulamentos, criando um ambiente propício para uma cultura organizacional ética. Assim, também é possível prevenir irregularidades e evitar penalidades em função de comportamentos antiéticos. 


Um sistema de compliance auxilia no estabelecimento de políticas internas claras que definem o comportamento esperado por todos na organização.

 

O que é responsabilidade social nos negócios?

Organizações socialmente responsáveis são aquelas que avaliam os efeitos de suas operações em relação aos impactos sociais e ambientais. Dessa forma, ao invés de se concentrarem apenas em lucros, analisam a comunidade, o meio ambiente e o relacionamento com os stakeholders. O trabalho engloba:

 


Estes são alguns exemplos de medidas que podem ser adotadas pelas organizações para melhorar o bem-estar social e reduzir o impacto ambiental.


Quais os benefícios da responsabilidade social nos negócios?

Ter responsabilidade social nos negócios pode trazer inúmeros benefícios à empresa, confira:

Retenção de talentos

Empresas que mostram ter responsabilidade social têm mais facilidade para atrair e reter talentos. Isso acontece porque muitos profissionais preferem trabalhar em organizações que declaram seus valores sociais e ambientais. 

 

Veja algumas ações que auxiliam na atração e retenção de talentos:

 

  • Ter programas de voluntariado corporativo;
  • Oferecer benefícios sociais;
  • Estabelecer um ambiente de trabalho inclusivo;
  • Criar políticas de sustentabilidade; 
  • Ter um programa de compliance eficiente;
  • Garantir o desenvolvimento profissional com propósito.

Contribuição para a sociedade

Uma das atribuições de uma empresa socialmente responsável é contribuir para a sociedade. Para a realização deste trabalho, é necessário desenvolver iniciativas que promovam um impacto positivo para a comunidade do entorno onde a organização está, o que pode incluir:

 

  • Realização de programas educacionais;
  • Apoio às instituições de caridade;
  • Projetos comunitários;
  • Preferência para a contratação de mão de obra dos moradores da região;
  • Campanhas de promoção e prevenção à saúde.

Vantagem competitiva

Ações socialmente responsáveis podem conferir uma vantagem competitiva no mercado. Consumidores e investidores preferem empresas que tenham este compromisso. A empresa que busca o diferencial pode:

 

  • Adotar práticas sustentáveis; 
  • Garantir condições de trabalho e salários justos;
  • Focar na inovação social;
  • Assegurar a transparência nas práticas de negócio;
  • Ter maior envolvimento comunitário. 

Reforço da imagem positiva

Além de todos os benefícios já citados, agir de forma socialmente responsável cria uma imagem positiva. Ter um compromisso real com a causa faz com que o público valorize a marca, fortalecendo a reputação do negócio, construindo uma relação de confiança e lealdade e aumentando a credibilidade no mercado. Algumas práticas podem ajudar a conquistar esse benefício:

 

  • Investimento em fontes de energia renovável e programas de reciclagem;
  • Parcerias com organizações sem fins lucrativos;
  • Estímulo à participação dos funcionários em ações voluntárias.


 

Como o compliance influencia a responsabilidade social nos negócios?

As práticas de compliance orientam os processos empresariais em direção à ética e à transparência. Também têm um papel importante na formação de uma cultura organizacional voltada para a responsabilidade social. O compliance assegura que a empresa:

 

  • Respeite a legislação, incluindo a ambiental e a trabalhista;
  • Tenha uma gestão transparente;
  • Faça um trabalho de prevenção contra irregularidades;
  • Aprofunde o trabalho de ESG;
  • Promova a diversidade e a inclusão.



clickCompliance é a solução para ser mais ético e responsável

Está pensando em começar a implementar uma cultura ética e de responsabilidade social no seu negócio? O clickCompliance é a solução! 

 

Nossa plataforma possui integrações eficientes e um design profissional que torna o trabalho de compliance mais simples, ágil e eficaz. 

 

Agende uma demonstração para conhecer o software da clickCompliance e entender como ele pode ajudar a fortalecer a ética de sua empresa!

 

0

Garantir direitos trabalhistas e conformidade com a legislação são alguns dos deveres da empresa contratante. Conheça as demais obrigações.

A terceirização de serviços é muito utilizada por empresas dos mais diversos setores. Por meio dela, é possível contratar outra empresa para a realização de atividades que não integram a sua especialidade principal. 

 

Na prática, isto significa que, em vez de manter departamentos internos para o cumprimento de determinadas tarefas, a contratante transfere a responsabilidade para terceiros. 

 

A alternativa pode proporcionar flexibilidade e eficiência, porém é necessário entender que a responsabilidade do tomador de serviços vai muito além da contratação. 

 

Na verdade, a relação entre a empresa contratante e os prestadores de serviços está sujeita a uma série de normas e regulamentações. Por isso, é necessário garantir a conformidade com cada uma delas. 

 

O contratante deve garantir que a contratação e a gestão de terceiros estejam alinhadas com as normas trabalhistas, legais e éticas que regem as operações da empresa. Neste sentido, o due diligence é uma prática fundamental. Dessa forma, o tomador de serviços se resguarda contra riscos legais e danos à reputação.

 

A empresa terceirizada também deve ter o compromisso com o cumprimento da legislação vigente. Por esse motivo, ter um sistema de compliance é essencial para ambas as partes.

 

Ficou interessado e quer saber mais sobre o assunto? 


Neste conteúdo, falaremos sobre as diferentes responsabilidades da empresa que contrata serviços terceirizados. Continue lendo para entender tudo!

 

O que é responsabilidade do tomador de serviços na terceirização?

No processo de terceirização, o tomador de serviços precisa seguir um conjunto de obrigações e deveres. A responsabilidade por parte do contratante se divide em duas esferas principais: trabalhista e de diretrizes, cada uma abrangendo áreas distintas. 

 

Em relação aos direitos trabalhistas, a empresa contratante é responsável por assegurar que os terceirizados tenham condições laborais adequadas e que seus direitos contratuais sejam respeitados. Ou seja, é essencial garantir o cumprimento de normas, como:

 

  • Jornada de trabalho definida em lei;
  • Pagamento de salário respeitando o piso da categoria;
  • Direitos trabalhistas (férias remuneradas, 13º salário, entre outros);
  • Condições de trabalho seguras e saudáveis;
  • Direitos fundamentais (liberdade sindical, proibição do trabalho infantil, entre outros).



A responsabilidade trabalhista pode ser classificada como subsidiária ou solidária, variando conforme as circunstâncias específicas do contrato de terceirização.

 

Já a segunda via de responsabilidades, envolve padrões e diretrizes mais abrangentes, muitas das quais estão relacionadas ao compliance. Ou seja, é necessário assegurar que os terceirizados estejam em conformidade com uma gama de regulamentações, incluindo:

 


Continue a leitura para entender mais detalhes sobre essas vias de responsabilidade.

 

Quais as responsabilidades trabalhistas do tomador de serviços terceirizados?

Como já explicado anteriormente, a responsabilidade trabalhista pode ser classificada de duas formas: subsidiária ou solidária. Agora, vamos explorar cada uma delas em maior detalhe. 

Responsabilidade subsidiária

A responsabilidade subsidiária está prevista na legislação e estabelece que o tomador de serviços pode ser responsabilizado subsidiariamente pelos débitos trabalhistas da empresa terceirizada.

 

Na prática, isso significa que caso a terceirizada não cumpra suas obrigações trabalhistas, o tomador de serviços pode ser acionado para assumir o pagamento das verbas trabalhistas devidas. 

 

A medida existe para assegurar que os trabalhadores não sejam prejudicados mesmo que a terceirizada não cumpra com suas obrigações financeiras. 

Responsabilidade solidária

No caso da responsabilidade solidária, tanto o tomador de serviços, quanto a empresa terceirizada são considerados responsáveis pelas obrigações trabalhistas. 

 

Ou seja, na eventualidade de um direito trabalhista não ser cumprido, o trabalhador pode acionar qualquer uma das partes

 

É uma abordagem mais ampla, na qual ambas as partes envolvidas na terceirização compartilham a responsabilidade pelas condições trabalhistas oferecidas. 

Quais as responsabilidades sobre padrões do tomador de serviços terceirizados?

Outro foco das empresas contratantes deve ser assegurar que o prestador de serviços esteja em conformidade com as políticas da empresa e com as diretrizes da legislação.

Conformidade com ESG

O contratante, ao procurar por serviços em outras empresas, deve estar atento e verificar se a contratada segue práticas socioambientais, éticas e de governança (ESG).

Manter a conformidade nessa área é importante para evitar problemas de reputação e garantir o compliance ambiental.

Pensar em ESG não é apenas sobre responsabilidade, mas também é uma estratégia para construir uma boa imagem no mercado.

Atenção à LGPD

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) exige que as empresas assumam a responsabilidade de garantir que o terceirizado cumpra as normas de proteção de dados. Caso contrário, as violações de privacidade podem resultar em penalidades substanciais.

 

Integrar as práticas da LGPD na gestão de terceiros mostra um compromisso com a segurança das informações.

Ter um canal de denúncias

Também é importante verificar a existência e a eficiência do canal de denúncias da terceirizada. A ferramenta ajuda a prevenir problemas e incentivar uma cultura organizacional mais ética e responsável. 

 

Além disso, investir em um treinamento de compliance pode ser uma excelente estratégia para garantir que os funcionários da empresa terceirizada entendam as diretrizes da empresa contratante.

Cuidados com fornecedores

Além de todos os cuidados necessários com a empresa terceirizada, também é importante avaliar os fornecedores. A avaliação, também chamada de due diligence, é uma medida preventiva para assegurar que todos os envolvidos na prestação de serviços estão em conformidade.

Atenção à imagem corporativa

Checar a reputação da empresa está entre um dos pontos mais importantes. Quem contrata precisa ficar de olho nas práticas da empresa terceirizada para evitar qualquer problema que possa prejudicar a sua própria imagem.

Obediência às regras operacionais

Para finalizar, o contratante precisa se assegurar de que o terceirizado vai seguir as regras operacionais e manter a conformidade em todas as operações realizadas em nome da empresa. Esta observação protege contra riscos legais e ajuda a melhorar a eficiência da equipe. 

O que é a gestão de terceirizados?

A gestão de terceirizados consiste em práticas e estratégias usadas pelas empresas contratantes para administrar os prestadores de serviços terceirizados de uma forma mais eficaz. 

 

A ideia é garantir que as atividades sejam realizadas da melhor forma possível, em sintonia com os objetivos da contratante e em conformidade com as leis e regulamentações. 

 

Imagine que uma empresa decide contratar um serviço externo, como limpeza, segurança ou desenvolvimento de software. A gestão de terceirizados entra em ação para assegurar que essa parceria seja eficiente, livre de riscos e contribua para o sucesso da empresa. A prática pode envolver:

 

  • Seleção dos terceirizados;
  • Definição de expectativas de ambas as partes;
  • Supervisão do desempenho.

 


Quais os benefícios da gestão de terceirizados?

Uma gestão eficaz de terceirizados proporciona uma série de benefícios para as empresas contratantes. Vamos detalhar alguns deles a seguir: 

Parcerias mais estratégicas

Com uma gestão eficaz, é possível construir parcerias mais estratégicas e alinhadas aos objetivos da contratante. Para isso, é importante escolher aqueles que estejam em sintonia com os valores da empresa e com os requisitos operacionais. Assim, a parceria se torna mais integrada e colaborativa, contribuindo para o sucesso conjunto. 

Redução de custos operacionais

Além disso, uma boa gestão de terceiros também facilita a adaptação dos funcionários nos processos internos da empresa. Evitar retrabalho e usar recursos de maneira eficaz são resultados diretos dessa organização, o que impacta positivamente nos custos totais da empresa contratante.

Organização dos processos de contratação

Ao implementar a gestão, fica mais fácil organizar os processos de contratação de terceirizados. Desde a pesquisa e a validação dos fornecedores até a assinatura de contratos claros e bem definidos, cada etapa do ciclo de contratação pode ser gerenciada de maneira eficaz. 

Gestão de riscos

Gerenciar terceiros de forma eficaz pode ser uma forma de reduzir riscos, uma vez que há uma garantia maior de que os funcionários estão em conformidade com as normas e regulamentações vigentes. Uma abordagem proativa para identificar, avaliar e gerenciar riscos potenciais contribui para a segurança e estabilidade das operações da empresa contratante.




Compliance e sua relação com a gestão de terceiros

Os pilares de compliance buscam assegurar a conformidade com leis, regulamentações e padrões éticos. Já a gestão de terceiros trata da administração eficiente dos serviços prestados por parceiros externos.

 

As duas áreas estão intrinsecamente ligadas, pois a empresa contratante é responsável por garantir que todas as atividades estejam em estrita conformidade com as normas estabelecidas. 


clickCompliance é a solução para a gestão de terceiros

Com integrações eficientes e um design profissional, o clickCompliance torna o trabalho de compliance mais simples e eficaz e pode facilmente ser implementado na gestão de terceiros. 

 

Agende uma demonstração e conheça nossas soluções para tornar a contratação de terceiros mais transparente e segura!

0