Treinamento de Compliance - clickCompliance
Your address will show here +12 34 56 78

Ambiente de trabalho, Canal de Denúncias, Canal de Denúncias, Ética, Programa de Integridade, Transparência, Treinamento de Compliance

Entenda o que caracteriza a falta de ética profissional, quais são as consequências para o negócio e como evitar o problema.

A falta de ética profissional é um dos problemas que mais causam preocupação entre líderes e gestores no âmbito corporativo. Comportamentos antiéticos, sejam de menor ou maior gravidade, podem minar o clima organizacional e, claro, causar prejuízos financeiros e danos à reputação das organizações.

Uma das práticas que ajudam no combate às atitudes antiéticas é o estabelecimento de condutas e regras que todo colaborador deve seguir para um ambiente corporativo livre de infrações dessa natureza.

A propósito, a promoção de uma cultura organizacional ética deve ser tratada com seriedade e viés estratégico para a própria saúde do negócio.

Entre os mecanismos usados na prevenção de condutas antiéticas nas organizações está o compliance. Você sabia disso? Não? Então chegou a hora de descobrir o porquê.

Acompanhe este conteúdo e entenda, em detalhes, como a falta de ética profissional pode ser danosa às empresas e como o compliance pode contribuir para sanar o problema.

O que é falta de ética profissional na empresa?

Para começar, vamos buscar compreender o conceito de ética, independente do contexto em que ele está inserido. 

De forma abrangente, a ética diz respeito ao que é considerado moralmente correto, íntegro ou honesto em diversas situações da vida em sociedade. Por isso, ela também se aplica ao mercado de trabalho.

Nesse contexto, a falta de ética profissional diz respeito às condutas equivocadas por parte do funcionário dentro da organização em que atua como, por exemplo:


 

Exemplos de falta de ética profissional

São muitos os exemplos de falta de ética profissional que podem ocorrer no ambiente de trabalho. Para ilustrar, listamos alguns deles. Confira:

Fraudes de documentos

A falsificação, alteração ou manipulação de documentos de qualquer natureza está entre as graves infrações éticas imputadas aos colaboradores, inclusive com a aplicação de sanções previstas em lei. 

Não cumprimento de prazos

Ao não cumprir prazos, o colaborador incide em conduta antiética, prejudicando o desempenho individual, da equipe e da empresa como um todo. É considerado um desvio de natureza comportamental. 

Difamação de colegas

Fazer declarações falsas ou prejudiciais contra outro colaborador é uma conduta antiética. Além de criar conflitos desnecessários, a difamação também contribui para um ambiente hostil, afetando o bem-estar e a produtividade.

Assédios

Os assédios são graves desvios de conduta. Intimidação, linguagem ofensiva, piadas ou comentários degradantes entram nesta categoria. Assédio moral é crime, assim como o assédio sexual, que consiste em qualquer ação de constrangimento ou agressão sexual.  

Ofensas

Ofensas dirigidas aos colaboradores, diretores ou gestores vão contra os valores éticos de qualquer empresa. Além de atingirem a honra, acirram os ânimos e prejudicam o bem-estar geral.

Falta de pagamentos

Ao não cumprir as obrigações financeiras atribuídas ao cargo, o colaborador fere o código de conduta e ética da empresa. Independente se a motivação for intencional ou negligente, a falta de pagamentos pode desencadear graves prejuízos financeiros à organização. 

Furtos

O furto está sujeito à punição legal e é inaceitável em qualquer contexto. Além do prejuízo material, também há a quebra da relação de confiança. 

Negligência com o trabalho

Ao não cumprir com suas responsabilidades e atribuições, o colaborador está negligenciando o trabalho para o qual foi contratado. Este comportamento fere a ética profissional, causando prejuízos à companhia.

Fraudes contra Fisco

Além de ser uma conduta antiética, a fraude contra o Fisco é passível de punições legais. A prática consiste no fornecimento de informações falsas às autoridades fiscais. 

Recebimento de propinas

Por fim, podemos citar, ainda, o recebimento de propina, que consiste na conquista de vantagens indevidas, como mais uma conduta que fere a ética profissional. A prática também figura no rol de crimes passíveis de sanções legais. 



Como evitar a falta de ética profissional na empresa

Acabamos de ver algumas condutas que configuram falta de ética no ambiente profissional, certo? Agora chegou a hora de conhecer ações e mecanismos que podem ser implementados a fim de coibir esses comportamentos em nome da boa reputação das companhias. Confira:

Coloque em prática um programa de compliance

De todas as ferramentas capazes de prevenir, detectar e corrigir condutas antiéticas no ambiente corporativo, os programas de compliance têm se mostrado altamente eficazes.

O compliance é a melhor solução para prevenir a falta de ética profissional e manter a transparência nos processos e na relação com os colaboradores.

Ao aderir ao compliance, as organizações contam com um aliado poderoso para evitar prejuízos financeiros e danos à reputação. 

Tenha um canal de denúncias eficiente

Outra ferramenta bastante útil é o canal de denúncias. Por meio dele, é possível relatar irregularidades que acontecem no ambiente corporativo de forma anônima. As denúncias seguem para a averiguação do setor de compliance, responsável por solucionar os problemas em questão. 

Crie normas de conduta

As empresas devem prezar pela transparência na relação com os colaboradores. Diante disso, a criação de normas de conduta é outro mecanismo útil para a prevenção de condutas antiéticas

Ofereça treinamentos

Para garantir que as normas de conduta que foram criadas não fiquem apenas no papel, é importante oferecer treinamentos de compliance. Além de informar sobre as regras internas, a capacitação pode abordar dilemas éticos dentro e orientar sobre qual é o comportamento adequado em cada situação.

Seja através de workshops ou seminários, disseminar o conhecimento sobre atitudes éticas no trabalho contribui para fortalecer uma cultura organizacional responsável. 

Divulgue constantemente a cultura da empresa

Dar visibilidade à cultura da empresa ajuda a comunicar de forma mais clara as diretrizes éticas da organização. O papel pode ser muito bem desempenhado pelos setores de RH, comunicação e compliance.

Mantenha uma organização transparente

Promover uma gestão transparente, com condutas bem definidas e aberta ao feedback, também é uma forma de propagar os valores éticos da empresa. Esta condução atrai a confiança dos colaboradores e promove o engajamento.   

Tenha planejamento para gestão de crise

Quando a reputação de uma empresa é atacada, algumas ações urgentes tornam-se necessárias. Por esse motivo, é essencial contar com um planejamento de crise para saber como agir em contextos mais dramáticos. 







Saiba como o clickCompliance pode ajudar

O compliance assegura o cumprimento das leis vigentes a partir da criação de políticas internas claras e abrangentes para a prevenção de condutas antiéticas dentro das organizações. Portanto, é um mecanismo mais do que necessário para proteger o patrimônio e a reputação das empresas.

O clickCompliance é um software que realiza a gestão do programa de compliance de forma ágil e eficiente, a partir da otimização dos processos e uso da tecnologia. Quer saber mais como a ferramenta pode contribuir para promover as diretrizes éticas da sua empresa? Agende uma demonstração!

0

Canal de Denúncias, Transparência

Entenda tudo sobre a regulamentação das apostas esportivas no Brasil e como o compliance pode ajudar na fiscalização das empresas

A regulamentação de apostas esportivas no Brasil vem dividindo opiniões. Essa atividade envolve a previsão de resultados de eventos esportivos e a realização de apostas em dinheiro sobre esses resultados. Apesar de ser popular em vários países, ainda não é regulamentada aqui.

Nesse momento você pode estar se perguntando: “então, como tantos sites divulgam jogos de aposta esportiva?”. Mesmo sem a regulamentação devida, muitas plataformas que veiculam propagandas no Brasil pertencem a empresas estrangeiras.

Mas isso
pode mudar em breve. Isso porque existem alguns projetos de lei e medidas provisórias que estão tramitando no Congresso Nacional e que pretendem estabelecer um marco legal para as apostas esportivas no país.

Mas como será essa regulamentação? Quais serão os benefícios e os desafios que ela trará? E qual será o papel do compliance nesse cenário?

Se você se interessa pelo assunto e deseja saber mais, continue a leitura!

Como será a regulamentação das apostas esportivas no Brasil?

O debate sobre a regulamentação das apostas esportivas no Brasil não é novidade. Na verdade, essa questão vem sendo debatida há anos e ganhou força em 2018. Na época, o presidente Michel Temer sancionou a Lei 13.756/18.

A lei determinou que as apostas seriam uma modalidade de loteria, liberada tanto para o setor público quanto para o privado. Entretanto, não definiu critérios, condições e procedimentos específicos para a sua regulamentação.

Outros projetos de lei foram apresentados no Congresso Nacional, com o objetivo de complementar ou alterar a lei de 2018. Entre eles, destacam-se:

  • Medida Provisória 1.182/2023;
  • Projeto de Lei 442/1991;
  • Projeto de Lei 14.790/23.

Veja algumas medidas gerais que estão sendo implementadas e devem começar a valer ainda neste ano:

  • Fiscalização ativa;
  • Legalidade;
  • Impostos ao governo;
  • Medidas contra crimes de lavagem de dinheiro;
  • Participantes das apostas (nem todos poderão participar);
  • Prevenção do vício em jogos.


Leis e projetos de regulamentação das apostas esportivas no Brasil

Depois de um panorama geral sobre a situação da regulamentação das apostas esportivas, agora vamos te explicar os principais pontos de cada uma das leis e dos projetos de lei.

Continue a leitura!

Medida Provisória 1.182/2023

A Medida Provisória 1.182/23 altera a primeira lei sancionada em 2018 por Michel Temer. Na época da divulgação dessa MP, a então ministra do Esporte, Ana Moser, explicou:

“Ao regulamentar as apostas esportivas, vamos coibir a manipulação de resultados e, sobretudo, preservar a integridade esportiva, no seu sentido mais amplo, enaltecendo os valores do esporte como uma referência para toda sociedade.”

Alguns aspectos da lei foram alterados, o que pode impactar a forma que as apostas vão ocorrer no Brasil. As mudanças incluem:

  • Aumento da alíquota do Imposto de Renda sobre os prêmios;
  • Fiscalização deverá ser feita pela Secretaria de Avaliação, Planejamento, Energia e Loteria do Ministério da Economia;
  • Deverão ser realizadas em moeda nacional ou em moeda estrangeira conversível;
  • Poderão ocorrer por meio de qualquer plataforma de distribuição.

Projeto de Lei 442/1991

O Projeto de Lei 442/1991 propõe a legalização de todas as formas de jogos de azar no país, incluindo as apostas esportivas. Ela inclui:

  • Jogo do bicho;
  • Cassino;
  • Bingos;
  • Apostas esportivas. 

Empresas privadas também poderão explorar os jogos de azar, mediante autorização do Poder Executivo, que poderá estabelecer as condições e as exigências para a concessão.

Além disso, o projeto determina que os jogos de azar sejam fiscalizados pelo Conselho Nacional de Jogos (Conaj). Parte da arrecadação desses jogos deverá ser destinada aos fundos de Seguridade Social, Cultura, Esporte e Segurança Pública.

Lei 14.790/23

A Lei 14.790/23 foi aprovada em dezembro de 2023 e permite que empresas privadas possam realizar apostas esportivas. A fiscalização deverá ser feita pela Agência Nacional de Apostas Esportivas (ANAE).

Entre as mudanças estabelecidas pela lei, estão:

  • Empresas têm a opção de atuar tanto online quanto em locais físicos;
  • Elevação da idade mínima para participar de apostas;
  • Restrição da publicidade voltada para menores;
  • Exigência de identificação dos participantes das apostas.

 


Benefícios da regulamentação das apostas esportivas no Brasil

Os benefícios da regulamentação das apostas esportivas no Brasil podem ser vistos tanto do ponto de vista econômico quanto do ponto de vista social. Veja alguns dos principais!

Dará segurança jurídica

Com a regulamentação, tanto os usuários quanto os donos da empresa terão maior segurança jurídica. Ao definir regras e responsabilidades mútuas, a probabilidade de ocorrer qualquer conflito ou problema fica bem menor

Promove arrecadação 

Outro ponto de vantagem é a arrecadação de impostos e de taxas para o Estado. Segundo o Ministério da Fazenda, um mercado de apostas regulado tem o potencial de gerar uma arrecadação anual estimada entre R$ 6 bilhões e R$ 12 bilhões.

Imagine uma porcentagem desse valor investida em áreas prioritárias, como programas sociais, segurança pública, esporte e cultura!

Incrementa a geração de empregos

Hoje, no Brasil, temos cerca de 8,2 milhões de pessoas desempregadas, de acordo com o IBGE. Com a regulamentação das apostas esportivas, muitos novos empregos podem ser gerados, tanto na área de tecnologia quanto na área de serviços.

Oferece maior índice de confiabilidade

Com a regulamentação e a fiscalização do governo, as apostas esportivas poderão oferecer maior confiabilidade para todos. Isso garante que elas sejam realizadas de forma transparente, segura e justa.

A regulamentação também estabelecerá mecanismos de proteção aos dados pessoais e financeiros dos usuários. Além da prevenção e combate ao crime de lavagem de dinheiro. 

Melhora identificação de apostadores

Além disso, a regulamentação das apostas esportivas melhora a identificação de apostadores, pois exigirá que eles se cadastrem nas plataformas de apostas.

Essa vantagem está diretamente relacionada à anterior, pois é necessário ter confiança que não ocorrerá nenhum vazamento de dados pessoais

Reduz riscos de crimes

Por fim, um dos benefícios mais importantes e interessantes para toda a população. A regulamentação reduz riscos de crimes, pois desestimula o funcionamento e a proliferação de sites e de casas clandestinas de apostas.

Também dificulta fraudes corporativas e manipulações que podem comprometer a integridade do esporte.

 

O que o compliance pode fazer na regulamentação das apostas esportivas no Brasil?

Os princípios do compliance incluem assegurar que a empresa esteja em conformidade com leis, normas, regulamentos e políticas internas e externas que regem suas atividades.

Isso implica aderir a padrões éticos, priorizar transparência e responsabilidade social, entre outros aspectos.

No cenário de apostas esportivas, podemos dizer que o compliance tem um papel fundamental. Mas por quê?

É isso que estamos respondendo a seguir!

Manter canal de denúncias eficiente

Uma das formas do compliance ajudar na regulamentação de apostas esportivas é através do canal de denúncias. Um espaço seguro em que usuários, funcionários, parceiros e órgãos relacionados possam reportar qualquer suspeita ou evidência de violação das normas.  

Atendimento a usuários

Um bom sistema de compliance também presta atendimento aos usuários, esclarecendo dúvidas, orientando sobre as regras, limites e responsabilidades das empresas de apostas esportivas. Além disso, podem oferecer suporte em caso de problemas e até aceitar sugestões. 

Prevenção à lavagem de dinheiro

O especialista em compliance é treinado para conhecer todas as etapas de lavagem de dinheiro. Por esse motivo, o compliance pode ajudar na prevenção desse crime, que consiste em ocultar ou dissimular a origem ilícita de recursos financeiros, por meio de operações que aparentam ser legais. 

Integridade das apostas 

Uma forma de garantir a integridade das apostas é por meio de treinamentos de compliance, pois eles podem assegurar que todos os envolvidos trabalhem de forma transparente e segura.

Além disso, é possível implementar sistemas de inteligência e de análise para detectar e prevenir fraudes, manipulações e irregularidades nas apostas.

Prevenção à manipulação de resultados

Além disso, o compliance pode prevenir a manipulação de resultados, que é o ato de influenciar o desfecho de um evento esportivo, de forma intencional e ilegal, para obter vantagens nas apostas.

Infelizmente isso é comum e a gestão de compliance pode ajudar com medidas de monitoramento do desempenho de atletas e da movimentação das apostas, por exemplo.






Conheça o clickCompliance!

Ter um sistema de compliance é indispensável para uma boa empresa de apostas esportivas. O clickCompliance pode ajudar nessa tarefa!

Com integrações eficientes e um design profissional, nosso software torna a implementação do compliance muito mais simples e eficaz.

Agende uma demonstração agora mesmo!

0

Ambiente Corporativo, Ambiente Corporativo, Ambiente de trabalho, Ambiente de trabalho, Fique por Dentro

Entenda o que são ataques cibernéticos e como uma boa gestão de compliance pode evitar perdas significativas para as empresas.

A tecnologia é uma grande aliada no mundo corporativo, principalmente quando falamos de organização empresarial. Hoje, grande parte das informações e projetos de uma empresa estão sediados na nuvem ou em computadores locais. Quase não existem mais arquivos físicos ou documentos impressos nesse cenário.

Realmente, essas tecnologias oferecem vantagens como praticidade, economia, mobilidade e escalabilidade. No entanto, trazem desafios e riscos relacionados à segurança da informação e à proteção de dados. Ao mesmo tempo que tornam a organização mais eficiente, deixam a empresa suscetível a ataques cibernéticos.

Mas como se proteger desses ataques e não deixar a empresa vulnerável? A gestão de compliance pode ser a resposta.

Se você ficou interessado e quer saber como o compliance pode diminuir os riscos de cyber ataques, continue a leitura! Neste texto, vamos explicar o que são ataques cibernéticos, quais os principais tipos e como o compliance pode ajudar.

O que são ataques cibernéticos?

Ataques cibernéticos são ações maliciosas realizadas por hackers ou criminosos virtuais. Esses indivíduos invadem, danificam, roubam ou manipulam dados e sistemas de informações. As motivações podem ser diversas, como por exemplo:

  • Extorsão;
  • Espionagem;
  • Sabotagem;
  • Vandalismo;
  • Terrorismo;
  • Ativismo;
  • Diversão.


Um relatório divulgado pela Netscout mostrou que, em 2023,
o Brasil foi o principal alvo de ataques cibernéticos na América Latina. Esses ataques podem causar sérios prejuízos, além de comprometer a segurança e a privacidade dos envolvidos. Entre as principais consequências de cyber ataques, estão:

  • Perda de dados;
  • Interrupção dos negócios;
  • Reputação danificada.


 

Quais os principais tipos de ataques cibernéticos

Para que você entenda ainda melhor o que são ataques cibernéticos, separamos os principais tipos que ocorrem no Brasil. Eles podem variar de acordo com o método, alvo e objetivo dos criminosos. Veja:

Phishing

O phishing é provavelmente o ataque cibernético mais comum e que mais consegue ludibriar suas vítimas. A técnica consiste em enviar e-mails, mensagens ou links falsos, que imitam a aparência de instituições ou pessoas confiáveis.

O intuito é realizar o roubo de dados pessoais pela internet ao enganar o usuário e induzi-lo a fornecer informações pessoais, senhas, dados bancários ou acessar sites maliciosos. Ele também pode ser utilizado como porta de entrada para outros tipos de ataques. 

Malware

Provavelmente você já ouviu falar do malware. É um software malicioso que pode ser instalado no dispositivo do usuário sem o seu consentimento.

Ele chega através de downloads, anexos, links ou dispositivos infectados, como pen drives. Seu intuito pode ser roubar, apagar ou até mesmo monitorar a atividade do usuário. 

Ransomware

O ransomware pode parecer coisa de filme, mas não é. Na verdade, trata-se de um tipo de malware que criptografa os dados do usuário e exige um resgate, geralmente em criptomoedas, para liberá-los.

Caso o usuário não pague, os dados podem ser apagados, vazados ou vendidos na internet. O ransomware é um dos ataques mais perigosos para as empresas, que podem ter suas operações paralisadas ou comprometidas.

DDoS

O DDoS (Distributed Denial of Service) é um ataque que visa sobrecarregar um servidor ou uma rede. Ele utiliza uma grande quantidade de requisições, vindas de diversos dispositivos infectados, chamados de botnets. 

Seu objetivo é impedir que o serviço funcione normalmente, causando lentidão, instabilidade ou indisponibilidade. O DDoS pode ser usado para prejudicar a reputação, a competitividade ou a segurança de uma empresa.


Quais ações de compliance protegem de ataques cibernéticos

Os princípios do compliance incluem garantir que a empresa esteja em conformidade com as leis, normas, regulamentos e políticas internas e externas que regem a sua atividade. Eles envolvem estar em dia com a ética, ter foco na transparência e responsabilidade social, entre outros.

Quando falamos sobre a segurança da informação e proteção de dados, o compliance atua como uma forma de prevenir, detectar e responder aos riscos cibernéticos. Mas como isso é feito na prática?

Veja algumas das ações de compliance que protegem de ataques cibernéticos.

Estar em conformidade com a LGPD

Se você está por dentro do mundo corporativo, já sabe o que é a LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados). Mas caso não saiba, trata-se de uma lei que regula o tratamento de dados pessoais de pessoas físicas, por parte de pessoas jurídicas, públicas ou privadas.

O compliance e LGPD andam juntos, uma vez que a lei estabelece princípios, direitos, deveres e sanções para o uso de dados pessoais. Seu objetivo é garantir a privacidade, a segurança e a autodeterminação dos titulares dos dados.

Portanto, ao estar em conformidade com a LGPD, as empresas reduzem as chances de sofrer ataques cibernéticos, pois aumentam a sua maturidade e a sua capacidade de prevenção, detecção e resposta aos riscos cibernéticos.

Ficar em dia com todas as ferramentas tecnológicas

Além de garantir a conformidade com a LGPD, o compliance também auxilia as empresas a estarem atualizadas com ferramentas tecnológicas. Essas ferramentas permitem a criptografia de dados, autenticação de dois fatores e a remediação aos principais ataques cibernéticos.

Algumas das ferramentas tecnológicas que podem ser usadas para proteger de ataques cibernéticos são:

  • Antivírus;
  • Firewall;
  • VPN;
  • SIEM.

Ter um plano de segurança da informação

O plano de segurança da informação é um documento que define diretrizes, responsabilidades, ações e recursos necessários para garantir a proteção da empresa. Ele pode ser elaborado de acordo com o plano de gerenciamento de riscos.

Ao ter um plano de segurança da informação, as empresas aumentam sua resiliência e capacidade de gestão dos riscos cibernéticos. É essencial definir as ações e os recursos necessários para garantir confidencialidade, integridade e disponibilidade dos dados e dos sistemas da empresa.

Monitoramento diário

Uma das ações mais importantes é o monitoramento diário do desempenho dos sistemas, redes, dispositivos e dados da empresa. Dessa forma, fica mais fácil detectar rapidamente qualquer problema antes de um ataque causar um grande impacto na organização.

Esse monitoramento contínuo pode ser realizado por um bom programa de compliance. O clickCompliance, por exemplo, faz a gestão de compliance e integridade corporativa automatizando processos. Ele oferece módulos de governança de documentos, treinamentos de compliance, compliance chatbot e canal de denúncias.

Ter gestão de crise

Ter gestão de crise é outra ação de compliance que protege dos riscos causados por cyber ataques. Na prática, a gestão de crise é o conjunto de ações que visa gerenciar e minimizar os impactos de um incidente de segurança que afete a empresa e todos ao seu redor.

Dessa forma, as empresas aumentam sua capacidade de resposta e de recuperação aos ataques cibernéticos, pois definem as ações e os recursos necessários para mitigar os danos, restaurar a normalidade e evitar a reincidência.

Realizar treinamentos de compliance

Para que toda a empresa esteja ciente dos riscos envolvidos quando ocorre um ataque cibernético, é essencial que sejam realizados treinamentos de compliance específicos sobre o tema.

Um treinamento é capaz de educar funcionários sobre as melhores práticas de segurança cibernética, ajudando a identificar e evitar golpes, criar senhas fortes e proteger dados confidenciais. Essas ações simples podem reduzir chances de cair em armadilhas cibernéticas.

Uma equipe treinada fortalece na corporação uma cultura de segurança, em que todos os funcionários estão cientes dos riscos cibernéticos e assumem a responsabilidade por proteger os dados da empresa.

Em seu módulo de treinamento de compliance, o clickCompliance dispõe de uma capacitação sobre segurança da informação. Não deixe de conferir!

 

Vantagens em adotar compliance contra ataques cibernéticos

Adotar compliance contra ataques cibernéticos traz diversas vantagens para as empresas, tais como:

Proteção empresarial

Explicamos acima como os ataques cibernéticos e violações de dados podem causar sérios prejuízos financeiros, legais e reputacionais. Com o compliance, por outro lado, as empresas podem evitar ou reduzir esses danos.

As medidas de prevenção, monitoramento e controle dos riscos cibernéticos aumentam sua segurança e confiança.

Conformidade regulatória

Outra vantagem em adotar compliance contra ataques cibernéticos é a conformidade regulatória. Isso significa estar em dia com as leis e regulamentos que regem a segurança da informação e a proteção de dados. O que inclui a LGPD, a Lei Anticorrupção, a ISO 27001, entre outras.

Continuidade de negócios

Por fim, a terceira vantagem é a continuidade de negócios, ou seja, a garantia de disponibilidade, integridade e confiança dos dados e sistemas da empresa.

Com o compliance e o monitoramento contínuo, fica mais fácil evitar interrupções, perdas ou danos que possam afetar as operações do negócio.






Conheça o clickCompliance!

Criar uma rede de proteção contra ataques cibernéticos é imprescindível para uma empresa. Um programa de compliance pode fazer a diferença nessa tarefa!

Com integrações eficientes e um design profissional, o clickCompliance torna a implementação do compliance muito mais simples e eficaz

Agende uma demonstração e comece hoje mesmo a se prevenir contra ataques cibernéticos!

 

0

Anticorrupção, Programa de Integridade, Treinamento de Compliance, Treinamento de Compliance, Treinamento de Compliance

Entenda o que são crimes contra o sistema financeiro e como impedir o envolvimento do seu negócio nesse tipo de ilegalidade.

Entre os vários tipos de crimes existentes e imputáveis por lei, estão os chamados crimes contra o sistema financeiro, popularmente conhecidos como “crimes do colarinho branco”.

Nesse conteúdo, vamos mostrar em detalhes como esse tipo de prática ilegal se caracteriza, quais as penalidades aplicáveis e, o mais importante, como o compliance pode ajudar a coibir o problema, preservando a integridade de empresas e instituições.

Acompanhe o texto na íntegra para entender porque esses crimes têm enorme potencial de danos e como os gestores podem usar o compliance para reduzir riscos.

Conceito de crimes contra o sistema financeiro

Os crimes contra o sistema financeiro se caracterizam por envolver uma série de atividades ilegais que prejudicam o funcionamento do sistema financeiro nacional.

No Brasil, eles estão expressos na Lei nº 7.492, de 16 de junho de 1986, também  conhecida por Lei dos Crimes de Colarinho Branco, já que muitos casos envolveram pessoas pertencentes à classe alta da sociedade e políticos.

A legislação vigente se aplica tanto às pessoas físicas, quanto jurídicas. 


Tipos de crimes contra o sistema financeiro

Para aprofundar um pouco mais sobre o tema, apresentamos a seguir os três tipos de crimes mais comuns contra o sistema financeiro. Veja o que caracteriza cada um deles: 

Contra a ordem tributária

Como o próprio nome já diz, é da natureza do crime contra a ordem tributária a falta de pagamento e recolhimento de tributos nos âmbitos municipal, estadual ou federal. O ato pode ocorrer por meio da omissão, falsificação ou adulteração de informações repassadas aos órgãos responsáveis.

Entre as condutas que podem configurar crime contra a ordem tributária, estão:

  • Sonegação fiscal;
  • Fraude fiscal;
  • Evasão fiscal;
  • Falsificação de documentos fiscais;
  • Omissão de receitas;
  • Fraude previdenciária;
  • Omissão de informações na declaração de Imposto de Renda.

Contra a ordem econômica

Já o segundo tipo de crime contra o sistema financeiro se caracteriza pelo abuso do poder econômico, dominando o mercado ou eliminando a concorrência. Esse tipo de conduta ilícita prejudica o funcionamento saudável da economia, além de lesar empresas e consumidores.

O monopólio e a formação de cartel são exemplos de condutas que estão previstas como crime contra a ordem econômica. 

Contra o sistema financeiro nacional

Por último, está o crime contra o sistema financeiro nacional propriamente dito, que tem como natureza o prejuízo ao funcionamento saudável do sistema financeiro do país. Entre as condutas que se enquadram nesse tipo de ato ilícito estão:

  • Gestão fraudulenta;
  • Operação irregular de instituição financeira;
  • Uso de informações privilegiadas do sistema financeiro.

 

Os crimes contra o sistema financeiro mais comuns

Descubra, a seguir, exemplos de crimes contra o sistema financeiro mais comuns ou de maior prevalência cometidos no país:

Lavagem de dinheiro

Consiste em converter valores obtidos ilegalmente em forma lícita. São usados diversos métodos com a finalidade de dissimular a origem do dinheiro sujo.

Empresas fantasmas, paraísos fiscais e movimentações bancárias em nome dos chamados “laranjas” são alguns exemplos de métodos usados que configuram o crime de lavagem de dinheiro

Corrupção

A corrupção se caracteriza por oferecer ou receber vantagens indevidas para a obtenção de benefícios pessoais. O crime ocorre, muitas vezes, às custas do interesse público, quando autoridades, políticos e servidores usam da influência para obter ganhos de natureza ilícita.

O Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF), vinculado ao Banco Central, é o órgão que atua para fiscalizar valores derivados de movimentações consideradas suspeitas e que possam envolver “dinheiro sujo” recebido por meio da corrupção. 

Fraudes financeiras

As fraudes financeiras se assemelham à corrupção como método, mas estão vinculadas aos ganhos derivados de práticas ilegais em vários contextos financeiros, entre eles bancários, previdenciários, securitários e, até mesmo, eletrônicos.

Sonegação fiscal

Na sonegação fiscal, empresas ou pessoas físicas omitem ou fornecem informações falsas sobre declarações fiscais para reduzir os valores de impostos a serem pagos.

Evasão de divisas

É a transferência de ativos ou recursos financeiros para o exterior sem declaração à Receita Federal ou ao Banco Central.

Quebra de sigilo bancário

Ocorre quando informações financeiras são reveladas sem autorização ou consentimento. A quebra de sigilo bancário só pode ocorrer mediante ordem judicial.

Divulgação de informações falsas

Esse tipo de crime diz respeito à divulgação de informação falsa ou incompleta sobre uma instituição financeira.


Penas para a prática de crime contra instituições financeiras

De acordo com a Lei nº 7.492, as penas aplicáveis para crimes contra o sistema financeiro são:

Prisão

A depender da gravidade do crime contra o sistema financeiro, a pena pode variar de 2 a até 12 anos de reclusão. Entram no rol de crimes puníveis por prisão: 

  • Gerir instituição financeira de forma fraudulenta; 
  • Lavagem de dinheiro;
  • Corrupção, entre outros. 

Multas monetárias

As multas aplicáveis podem chegar a até três vezes o valor da vantagem ilícita obtida.

Perdas de bens e valores

Outra sanção aplicada a quem comete crimes contra o sistema financeiro é o confisco ou a devolução dos bens e valores obtidos com a prática ilícita. E aí se incluem dinheiro, imóveis e veículos, por exemplo.


Como o compliance pode coibir crimes contra bancos?

Uma maneira preventiva que as empresas do ramo financeiro têm de se blindarem contra esse tipo de crime é por meio do compliance.

Com uma política de compliance bem estruturada, é possível regular procedimentos sensíveis ao setor, de acordo com a legislação vigente, e também atender às exigências regulatórias.

Confira, na sequência, quais mecanismos as instituições financeiras podem adotar para o combate às fraudes no sistema financeiro e demais crimes:  

Due diligence

Due diligence consiste na prática de averiguar informações de clientes, parceiros de negócios e transações, de forma detalhada, antes de celebrar um contrato. Ou seja, é um dispositivo que permite verificar qualquer rastro de atividades ilícitas, evitando se expor aos riscos em diversos tipos de operações.

Monitoramento de transações

O compliance financeiro oferece ampla cobertura no monitoramento de padrões incomuns e na movimentação suspeita de montantes de dinheiro.

Políticas internas rigorosas

O desenvolvimento e a implementação de políticas fortes dentro da organização permite um controle maior na prevenção de crimes contra o sistema financeiro.

As sanções e os métodos de monitoramento usados devem ser bem documentados para evitar qualquer lacuna ou eventual desconhecimento do colaborador sobre práticas de trabalho dentro da organização.

Para isso, é aconselhável que todas as informações estejam descritas no código de conduta.

Treinamentos constantes

Os treinamentos de compliance reforçam a prevenção e ajudam a engajar os colaboradores no atendimento às exigências regulatórias do mercado financeiro.

Avaliação permanente de riscos

O programa de compliance oferece avaliações regulares de risco, o que reduz vulnerabilidades e ajuda a aprimorar as estratégias de prevenção.

Colaboração externa

Para estimular a adoção de medidas contra atividades suspeitas, a colaboração externa, seja de autoridades ou de agências reguladoras, é mais uma forma de dirimir riscos.






Implemente já o compliance na sua empresa!

Ao implementar um programa de compliance eficiente, as empresas asseguram uma camada a mais de proteção para coibir qualquer tipo de crime contra o sistema financeiro.

O clickCompliance pode auxiliar nesse processo!  Agende uma demonstração e descubra como fazer uma gestão de compliance completa na sua empresa!

0

Ambiente Corporativo, Ambiente de trabalho, Business, Canal de Denúncias, Código de Ética, Educação, ESG, Ética, Treinamento de Compliance, Treinamento de Compliance

Empresas que buscam evolução precisam estar atentas aos conceitos de ética e responsabilidade social para colocarem em prática.


Falar de
ética profissional no ambiente de trabalho remete ao conjunto de princípios e valores que guiam o comportamento dentro de uma organização. 


Já a responsabilidade social se refere ao compromisso de uma empresa com o impacto social e ambiental de suas operações. 


Empresas éticas e socialmente responsáveis buscam a construção de relacionamentos sustentáveis, baseados na confiança com os diferentes públicos. Para isso, adotam práticas que contribuam positivamente para a sociedade e estejam de acordo com as diretrizes de compliance


Esses pilares são determinantes para o sucesso. Por isso, é indispensável compreender o que significa ter uma postura ética e socialmente responsável hoje em dia.  Ficou interessado e quer saber mais sobre o assunto? 


Neste conteúdo, falaremos sobre os benefícios da ética e da responsabilidade social para o crescimento da empresa e como o compliance pode ser um grande aliado na hora de colocá-los em prática. 


Boa leitura!

 

O que é ética nos negócios?

A ética nos negócios representa princípios e valores que vão além das regras legais. Por isso, deve ir além da prevenção de ações antiéticas

 

Na verdade, boas práticas éticas visam promover transparência, integridade e equidade. Para isso, há algumas ações possíveis:

 

 

Também é necessário ter comprometimento contínuo com a melhoria e a avaliação constante de processos e políticas internas. Além disso, a disposição de se adaptar às mudanças no ambiente empresarial que demandam uma postura mais ética é fundamental.


Quais os benefícios da ética nos negócios?

Ter um ambiente de trabalho ético pode trazer inúmeros benefícios à empresa. Vamos detalhar alguns deles abaixo. Continue conosco se quer entender mais sobre o assunto! 

Transparência

Muitas vezes, quando se fala em transparência, as pessoas pensam em uma ideia abstrata. Porém, no mundo corporativo, trata-se de uma prática que envolve a divulgação de informações da empresa de forma verdadeira e ética. Para isso, algumas medidas podem ser tomadas:

 

Prestação de contas sistemática

Garantir a transparência na prestação de contas significa assumir a responsabilidade pelas ações e decisões da empresa perante a sociedade. É como se a empresa dissesse: “Estamos aqui, somos responsáveis pelo que fazemos e queremos que você saiba disso”

 

Veja como colocar a prestação de contas transparente em prática: 

 

  • Realização de relatórios mensais com detalhes financeiros e questões de ESG
  • Divulgação de comunicados internos e newsletters sobre as ações da empresa;
  • Estímulo ao feedback construtivo. 

Engajamento dos stakeholders

Ter um bom engajamento dos stakeholders requer a construção de relacionamentos confiáveis com todas as partes interessadas, o que inclui:

 

  • Pessoas que trabalham na organização;
  • Consumidores, pessoas físicas ou jurídicas, que adquirem os produtos ou serviços;
  • Fornecedores de insumos para a organização;
  • Prestadores de serviços para a empresa;
  • Acionistas;
  • Comunidade do entorno onde a empresa está localizada;
  • Representantes de entidades governamentais que regulam ou interagem com a empresa.

 

Algumas ações que podem ajudar a estreitar os laços com esses stakeholders são:

 

  • Estabelecer um diálogo aberto;
  • Realizar iniciativas sociais;
  • Encorajar a participação nos processos da empresa;
  • Oferecer programas de desenvolvimento para a comunidade local. 

Melhoria da cadeia de fornecimento

Para promover a ética na cadeia de fornecimento, é indispensável escolher parceiros e fornecedores com valores semelhantes aos seus. O alinhamento de interesses e propósitos contribui para garantir a reputação da marca e impulsionar práticas mais justas e sustentáveis. Para isso, é necessário: 

 

Comunicação responsável 

A comunicação é uma via de mão dupla, ou seja, a empresa deve transmitir as informações de maneira responsável e, também, ouvir atentamente as preocupações da sociedade. Para colocá-la em prática, é importante:

 

  • Garantir respostas proativas às críticas;
  • Manter canais de comunicação abertos;
  • Ter mais engajamento com a comunidade local;
  • Assegurar uma comunicação clara com os funcionários.



Como o compliance influencia a ética nos negócios?

O termo compliance refere-se ao conjunto de práticas e procedimentos adotados por uma empresa para garantir que suas operações estejam em conformidade com leis, regulamentos externos e padrões éticos internos. Uma boa gestão de compliance envolve: 

 

  • Políticas internas;
  • Treinamentos e educação sobre leis e políticas; 
  • Monitoramento e auditorias;
  • Mecanismos de relato.

 

Portanto, o compliance assegura que a empresa siga todas as leis e regulamentos, criando um ambiente propício para uma cultura organizacional ética. Assim, também é possível prevenir irregularidades e evitar penalidades em função de comportamentos antiéticos. 


Um sistema de compliance auxilia no estabelecimento de políticas internas claras que definem o comportamento esperado por todos na organização.

 

O que é responsabilidade social nos negócios?

Organizações socialmente responsáveis são aquelas que avaliam os efeitos de suas operações em relação aos impactos sociais e ambientais. Dessa forma, ao invés de se concentrarem apenas em lucros, analisam a comunidade, o meio ambiente e o relacionamento com os stakeholders. O trabalho engloba:

 


Estes são alguns exemplos de medidas que podem ser adotadas pelas organizações para melhorar o bem-estar social e reduzir o impacto ambiental.


Quais os benefícios da responsabilidade social nos negócios?

Ter responsabilidade social nos negócios pode trazer inúmeros benefícios à empresa, confira:

Retenção de talentos

Empresas que mostram ter responsabilidade social têm mais facilidade para atrair e reter talentos. Isso acontece porque muitos profissionais preferem trabalhar em organizações que declaram seus valores sociais e ambientais. 

 

Veja algumas ações que auxiliam na atração e retenção de talentos:

 

  • Ter programas de voluntariado corporativo;
  • Oferecer benefícios sociais;
  • Estabelecer um ambiente de trabalho inclusivo;
  • Criar políticas de sustentabilidade; 
  • Ter um programa de compliance eficiente;
  • Garantir o desenvolvimento profissional com propósito.

Contribuição para a sociedade

Uma das atribuições de uma empresa socialmente responsável é contribuir para a sociedade. Para a realização deste trabalho, é necessário desenvolver iniciativas que promovam um impacto positivo para a comunidade do entorno onde a organização está, o que pode incluir:

 

  • Realização de programas educacionais;
  • Apoio às instituições de caridade;
  • Projetos comunitários;
  • Preferência para a contratação de mão de obra dos moradores da região;
  • Campanhas de promoção e prevenção à saúde.

Vantagem competitiva

Ações socialmente responsáveis podem conferir uma vantagem competitiva no mercado. Consumidores e investidores preferem empresas que tenham este compromisso. A empresa que busca o diferencial pode:

 

  • Adotar práticas sustentáveis; 
  • Garantir condições de trabalho e salários justos;
  • Focar na inovação social;
  • Assegurar a transparência nas práticas de negócio;
  • Ter maior envolvimento comunitário. 

Reforço da imagem positiva

Além de todos os benefícios já citados, agir de forma socialmente responsável cria uma imagem positiva. Ter um compromisso real com a causa faz com que o público valorize a marca, fortalecendo a reputação do negócio, construindo uma relação de confiança e lealdade e aumentando a credibilidade no mercado. Algumas práticas podem ajudar a conquistar esse benefício:

 

  • Investimento em fontes de energia renovável e programas de reciclagem;
  • Parcerias com organizações sem fins lucrativos;
  • Estímulo à participação dos funcionários em ações voluntárias.


 

Como o compliance influencia a responsabilidade social nos negócios?

As práticas de compliance orientam os processos empresariais em direção à ética e à transparência. Também têm um papel importante na formação de uma cultura organizacional voltada para a responsabilidade social. O compliance assegura que a empresa:

 

  • Respeite a legislação, incluindo a ambiental e a trabalhista;
  • Tenha uma gestão transparente;
  • Faça um trabalho de prevenção contra irregularidades;
  • Aprofunde o trabalho de ESG;
  • Promova a diversidade e a inclusão.



clickCompliance é a solução para ser mais ético e responsável

Está pensando em começar a implementar uma cultura ética e de responsabilidade social no seu negócio? O clickCompliance é a solução! 

 

Nossa plataforma possui integrações eficientes e um design profissional que torna o trabalho de compliance mais simples, ágil e eficaz. 

 

Agende uma demonstração para conhecer o software da clickCompliance e entender como ele pode ajudar a fortalecer a ética de sua empresa!

 

0

Educação

Saiba tudo sobre as pílulas de conhecimento e como podem auxiliar na aprendizagem sobre compliance.



Microlearning, em português, significa micro aprendizagem. O termo faz referência à metodologia que organiza as informações em pequenas partes com o objetivo de não consumir tanto tempo ou concentração, conhecida como “pílulas do conhecimento”.

 

Por meio dela, os temas são divididos em blocos menores de conteúdo que trazem informações completas sobre o assunto e facilitam o entendimento.

 

A metodologia tem sido amplamente utilizada por empresas com a finalidade de qualificar os funcionários em novas competências como, por exemplo, o compliance.

 

Segundo pesquisa divulgada pelo Journal of Applied Psychology, essas pequenas pílulas de conhecimento são 17% mais eficazes quando comparadas aos métodos tradicionais de aprendizagem. Por esse motivo, tornaram-se populares no meio corporativo, uma vez que não tomam muito tempo dos colaboradores e facilitam o aprendizado em temáticas indispensáveis.   

 

Durante muito tempo, o conhecimento em compliance esteve restrito ao departamento jurídico das empresas, porém, novas leis o transformaram num pilar da cultura organizacional

 

Com isso, as organizações perceberam a necessidade de envolver todos os funcionários no trabalho de conformidade. Para capacitá-los, é preciso oferecer treinamentos de compliance que possibilitem reter as informações de forma eficiente.

 

Neste cenário, o microlearning tem se mostrado um formato viável por ser um processo simples, eficiente e rápido

 

Quer saber mais sobre o assunto? Fique conosco até o fim da leitura e descubra como a metodologia pode contribuir para o aprendizado de compliance na sua empresa

 

Boa leitura!

 


O que é
microlearning?

Microlearning é uma metodologia de aprendizagem que se apresenta com uma abordagem completamente diferente do ensino tradicional. 

 

A proposta é passar o conteúdo de forma mais simples para ser assimilado. Para isso, foca em apresentações curtas, com duração entre 2 e 5 minutos, realizadas com uma linguagem acessível, que facilita o aprendizado. 

 

Dessa forma, a metodologia se caracteriza por:

  • Aulas mais curtas
  • Linguagem simples
  • Uso de recursos multimídia
  • Lições individuais

 

Nas empresas, essas pílulas do conhecimento podem ser empregadas para:

 

  • Contextualizar um determinado assunto
  • Gerar conexão com novos procedimentos ou regras
  • Tirar dúvidas técnicas 
  • Apresentar habilidades desejadas para a equipe
  • Oferecer conteúdos complementares de orientação à equipe

 

Os conteúdos podem ter diversos formatos, como:

 

  • Videoaulas curtas
  • Podcasts educativos
  • Vídeos de treinamento
  • Palestras

A seguir, explicaremos como é a metodologia na prática. Não deixe de conferir!


Microlearning
na prática

Para que você consiga entender como funciona o microlearning, vamos exemplificar com o treinamento do clickCompliance.

 

Nosso conteúdo está disponível em uma plataforma que pode ser facilmente acessada pelo celular, na forma de vídeos didáticos. Utilizamos diversos recursos para ajudar no aprendizado: 

 

  • Animações
  • Powerpoints
  • Textos
  • Documentos

 

A finalidade é ajudar a fixar regras e normas de compliance para aumentar a sensação de responsabilidade da equipe no combate às irregularidades. 

 

Para isso, durante o treinamento, os colaboradores acompanham a jornada de um personagem e o auxiliam a enfrentar situações que envolvem propina, informações privilegiadas, conduta no ambiente de trabalho, entre outras. 

 

Eles são convidados a responder perguntas para ajudar o personagem a tomar decisões que estejam de acordo com as políticas de compliance da empresa. 

 

Dessa forma, o microlearning é empregado com o objetivo de permitir que os colaboradores adquiram conhecimento sem impactar a rotina de trabalho e a produtividade. O método torna o processo de aprendizado contínuo por meio de conteúdos assertivos e de rápida absorção.

 

E aí, nosso exemplo te ajudou a entender como é o microlearning na prática? Continue lendo para entender suas principais vantagens e como implementá-lo na sua empresa.

 

Quais as vantagens do microlearning?

Agora que você já entendeu o que é o microlearning na prática, vamos ver algumas vantagens da metodologia: 

Flexibilidade

Com esse método, os funcionários podem acessar os conteúdos no melhor horário, de acordo com a sua própria rotina e disponibilidade

 

Além disso, não há a obrigatoriedade de terminar um módulo gigante para conseguir entender o assunto. Com as pílulas do conhecimento, é possível ajustar o aprendizado no ritmo de cada um e garantir que todos compreendam as informações.

Retenção de conhecimento

Imagine formular um curso enorme para os colaboradores e, depois de alguns meses, tudo ter sido esquecido… Parece frustrante, não é mesmo? 

 

Com o microlearning, entretanto, as chances de reter os conhecimentos são maiores por conta dos variados modos de aquisição do conteúdo. Na verdade, pequenas doses de informação são mais fáceis de serem absorvidas. 

 

Além disso, o método permite que os funcionários se concentrem em conceitos específicos, o que garante uma maior compreensão do assunto no longo prazo. 

Otimização do tempo

Outra grande vantagem do microlearning é a otimização do tempo, o que beneficia tanto o colaborador quanto a empresa. Com as demandas diárias pode ficar difícil reservar um período para aprender uma nova competência, principalmente, se for um curso longo e demorado. 

 

Mas quando as aulas não ultrapassam 15 minutos e são fáceis de compreender, o funcionário consegue adquirir conhecimento de maneira mais ágil para colocá-lo em prática.

Personalização

O microlearning também se destaca pela possibilidade de personalização, ou seja, os materiais podem atender às necessidades específicas de cada funcionário

 

A segmentação dos conteúdos permite que a pessoa seja mais focada no que vai escolher para aprender. Não há a obrigação de passar por assuntos já conhecidos e isso torna o aprendizado mais viável. 

 

Acesso remoto

Garantir que o colaborador possa aprender, independente de onde estiver, estimula muito o aprendizado. O acesso remoto oferece mais praticidade no dia a dia

Redução de custos

Outra vantagem é a redução de custos. Criar esse tipo de conteúdo é mais barato em comparação com os treinamentos mais extensos. 

 

Caso haja a necessidade de substituir uma informação, isso pode ser feito de maneira ágil, sem precisar recomeçar do zero. 


Como o
microlearning auxilia os treinamentos em compliance?

Você entendeu as vantagens do microlearning, mas pode estar na dúvida sobre o que isso tem a ver com o compliance e porque escolhemos a metodologia para o treinamento do clickCompliance. A seguir, vamos detalhar essas informações.

 

Um relatório divulgado pela Software Advice mostrou que mais de 50% dos funcionários usariam mais as ferramentas de aprendizagem da empresa se os cursos fossem mais curtos. 

 

Numa realidade em que as corporações estão cada vez mais dinâmicas e integradas, é essencial que exista engajamento da equipe para aprender sobre o compliance. 

 

Por isso, o microlearning se mostra mais efetivo nos treinamentos de compliance. Ele garante que os colaboradores estejam alinhados aos mesmos objetivos, cumprindo as diretrizes internas para garantir a conformidade com a legislação vigente.

 

Para você entender melhor os benefícios de usar a metodologia nos treinamentos de compliance, vamos ao seguinte exemplo:

 

Imagine que um funcionário queira oferecer um presente como forma de agradecimento a outro colaborador por ter lhe ajudado a fechar um negócio. 

 

Sem o microlearning, poderia ser necessário muito tempo analisando o código de conduta da empresa e, ainda assim, o funcionário poderia ficar confuso com as nuances da ação. Porém, com a metodologia de fácil acesso, ele pode consultar o aplicativo e rapidamente perceber que isso não está de acordo com as diretrizes da empresa. 

 

No geral, o microlearning em treinamentos de compliance contribui para: 

 

  • Aumentar o engajamento dos colaboradores
  • Responder dúvidas pontuais
  • Disseminar o compliance como pilar da cultura organizacional


Como implantar o
microlearning na empresa?

Confira, a seguir, o passo a passo: 

Escolha uma plataforma de treinamento on-line

Selecionar uma boa plataforma de treinamento on-line é indispensável para colocar o microlearning em prática. Há muitas opções disponíveis. Avalie questões como recursos, facilidade de uso e custos para fazer a melhor escolha.

Estabeleça metas claras de aprendizagem

Antes de começar o treinamento, a empresa precisa ter suas metas bem definidas. Determine o que deseja que os funcionários aprendam e quais as habilidades ou conhecimentos específicos precisam ser adquiridos. Dessa forma, é mais fácil desenvolver os conteúdos certos para o aprendizado



Divida o conteúdo

Dividir o conteúdo em unidades menores, que funcionem de forma independente, é um passo muito importante para colocar o microlearning em prática. Cada módulo deve ser focado em um tópico específico. Assim, é possível garantir uma aprendizagem gradual e a retenção de informações. 

Ofereça recompensas

Certificados de conclusão, pontos de recompensa, reconhecimento público e incentivos são estratégias que podem auxiliar na motivação dos funcionários e aumentar a participação. 


clickCompliance ajuda no treinamento da sua empresa

 

O clickCompliance é um software completo que oferece treinamentos de compliance com a metodologia do microlearning. É a escolha perfeita para as empresas que desejam favorecer sua reputação no combate à corrupção e outras irregularidades. 

 

Nosso treinamento contempla:

 

 

Agende uma demonstração e conheça detalhes sobre nosso treinamento! 

0