Plano de gerenciamento de riscos: o que é e como implantar

Click to rate this post!
[Total: 1 Average: 5]
Aprenda o que é um plano de gerenciamento de riscos e entenda como ele pode ser um diferencial competitivo para a sua empresa.

Você já ouviu falar sobre plano de gerenciamento de riscos? Se você tem uma empresa ou pretende empreender no futuro, precisa saber o que é!

Pensando nisso, preparamos este conteúdo para explicar o conceito, os benefícios e mostrar como implantar esse tipo de plano na sua organização. Além disso, vamos abordar a relação entre gestão de riscos e compliance.

Ficou curioso? Então, continue lendo e descubra como ter um plano de gerenciamento de riscos eficiente pode ser um diferencial competitivo para a sua empresa.

Conceito de plano de gerenciamento de riscos

O plano de gerenciamento de riscos é uma ferramenta estratégica que tem como objetivo prevenir ou minimizar os efeitos de possíveis falhas que possam ocasionar um impacto negativo ao negócio.

Na prática, é um documento que descreve como a empresa vai agir diante de riscos que possam afetar seus objetivos. O plano costuma incluir elementos como

 

  • Metas e objetivos do projeto ou da organização;
  • Membros da equipe responsáveis pelo gerenciamento de riscos;
  • Mapa de riscos;
  • Ranking de priorização dos riscos;
  • Estratégias de mitigação;
  • Plano de contingência;
  • Indicadores de desempenho.

 

Atualmente, o gerenciamento de riscos é uma prática amplamente reconhecida e adotada por organizações públicas e privadas, de diferentes portes e setores. O trabalho é parte essencial para a governança e compliance.



Tipos de riscos

Agora que você compreendeu o conceito desse tipo de plano, pode estar se perguntando: “Mas, afinal, quais são esses riscos?”.

Os riscos são eventos ou condições incertas que, se ocorrerem, podem ter um impacto negativo sobre a empresa.

Por exemplo, uma crise econômica pode ser um risco, já que apresenta a possibilidade de reduzir as vendas e os lucros de uma empresa.

Os riscos podem ser classificados em diferentes tipos. A seguir, veremos os mais comuns.

Financeiro

Estão relacionados às finanças e, por isso, podem comprometer a rentabilidade ou a liquidez da empresa. Alguns exemplos: 

 

  • Variação cambial;
  • Inflação;
  • Inadimplência;
  • Falta de capital;
  • Perda de investimentos. 

Ambiental e social

São riscos relacionados ao meio ambiente e à sociedade, que podem afetar a reputação de uma empresa. Alguns fatores podem desencadear esse tipo de risco, como:

 

  • Mudanças climáticas;
  • Desastres naturais;
  • Conflitos sociais;
  • Demandas dos consumidores;
  • Pressão dos stakeholders

Estratégico

Os riscos estratégicos se relacionam à competitividade, à diferenciação e ao crescimento da empresa. Podemos citar:

 

  • Concorrência;
  • Entrada de novos competidores;
  • Perda de mercado;
  • Obsolescência de produtos ou serviços;
  • Falta de inovação. 

De conformidade

São riscos relacionados ao descumprimento da legislação vigente e podem gerar multas, sanções, processos, perda de licenças, entre outros prejuízos. A prevenção contra esse tipo de risco exige:

 

Reputação

Os riscos de reputação estão relacionados à percepção que o público tem sobre a empresa e podem afetar a sua imagem e até o seu valor de mercado. Veja algumas situações que precisam ser analisadas para evitar esse tipo de problema:

 

  • Satisfação dos clientes;
  • Confiança dos fornecedores;
  • Credibilidade dos investidores;
  • Fidelidade dos funcionários.

Operacionais 

Por fim, os riscos operacionais estão ligados às operações da empresa e podem ocasionar em falhas, erros, atrasos, perdas, acidentes, entre outras situações. Podem ocorrer em diferentes setores e fases, como:

 

  • Processos;
  • Recursos;
  • Sistemas;
  • Tecnologia;
  • Segurança.

Imagem: Freepik

 

Passo a passo para implantar o gerenciamento de riscos

Agora que você já entendeu o que é um plano de gerenciamento de riscos, vamos ver como implantá-lo na sua empresa:

Faça um planejamento das ações

O primeiro passo é definir um escopo e quais as áreas e processos serão incluídos no plano. Para isso, comece definindo:

  • Objetivos;
  • Critérios;
  • Recursos. 


Neste momento, também é essencial
estabelecer as responsabilidades e o cronograma do plano. Por fim, defina quais são os resultados esperados e os indicadores de desempenho. 

Identifique e qualifique os riscos

O segundo passo é identificar e qualificar os riscos que podem afetar a empresa. A sugestão é que você faça boas análises interna e externa e aposte na matriz SWOT para o trabalho. Assim, é possível elencar:

  • Forças;
  • Fraquezas;
  • Oportunidades;
  • Ameaças.


Também é importante
consultar clientes, fornecedores e funcionários para obter informações e opiniões sobre os riscos. Muitas vezes, as pessoas conseguem ver brechas antes da gerência sequer imaginar o problema.

Para finalizar esta etapa, liste todos os riscos que você identificou, descrevendo as causas, os efeitos e as fontes. É possível classificar os riscos em tipos, categorias e subcategorias para facilitar a organização e o tratamento.

Analise a probabilidade de ocorrência e de impactos 

Feito isso, é essencial analisar a probabilidade de ocorrência e o impacto dos riscos identificados. Mas como fazer isso?

Primeiro, você deve estimar a chance de cada risco acontecer, usando escalas como:

  • Baixa;
  • Média;
  • Alta. 


A partir disso,
avalie o impacto de cada risco sobre a sua empresa. Você pode os classificar como: 

  • Insignificante;
  • Moderado;
  • Crítico.   


Com a classificação finalizada, é hora de
criar uma matriz de risco, ou seja, uma tabela que cruza a probabilidade e o impacto dos riscos, para facilitar a visualização e a ordem de prioridades.

Elabore estratégias para lidar com os riscos

O quarto passo é a elaboração de estratégias para lidar com os riscos que você analisou. Até então, foi tudo muito teórico, certo? Agora é o momento de colocar a mão na massa e definir quais são as ações, os recursos, os responsáveis e os prazos para tratar cada risco, de acordo com o seu nível de prioridade.

Existem quatro tipos de estratégias para lidar com os riscos:

  • Evitar: consiste em eliminar a causa ou a fonte de risco. Por exemplo, você pode cancelar um projeto que tem um risco muito alto de fracasso.
  • Mitigar: significa reduzir a probabilidade ou o impacto do risco, por meio de medidas preventivas ou corretivas. Um exemplo é contratar um seguro para cobrir um risco financeiro.
  • Transferir: você pode transferir a responsabilidade ou o impacto do risco para outra parte. Isto é possível ao delegar uma atividade que tem um risco operacional para um fornecedor terceirizado que seja especializado na área.
  • Aceitar: quando nenhuma das opções acima é possível, resta aceitar o risco e seus efeitos, sem tomar nenhuma ação para alterá-lo. 

Monitore sempre

Por fim, com tudo estabelecido, chegou o momento de monitorar o plano de gerenciamento de riscos. Esta fase pode parecer a mais tranquila, mas é necessário ter cuidado redobrado para manter os processos em funcionamento. Para isso, é importante verificar:

  • Se as ações estão sendo executadas conforme o planejado;
  • Se os riscos estão seguindo o que foi previsto;
  • Se há resultados positivos com a implantação;
  • Se há necessidade de ajustes ou melhorias no plano.


Use os indicadores de desempenho que você definiu no primeiro passo para medir e avaliar o andamento e o sucesso do plano de gerenciamento de riscos. Não se esqueça de registrar e comunicar todas as informações para
garantir transparência.

Uma dica muito importante: revise periodicamente o seu plano de gerenciamento de riscos para atualizá-lo de acordo com as mudanças internas e externas que possam afetar a sua empresa!

Imagem: Freepik

Benefícios do plano de gerenciamento de riscos

Um bom plano de gerenciamento de riscos pode trazer inúmeros benefícios a sua empresa, podemos destacar:

Diminui incidência de riscos

Certamente, este é o principal benefício. Quando você identifica e atua estrategicamente sobre os riscos, pode evitar ou reduzir a sua ocorrência. Assim, previne problemas e crises que poderiam prejudicar o negócio.

Há sempre uma estratégia de controle

Não existe falar de gerenciamento de riscos sem falar de estratégia. O plano é uma forma de estar preparado para enfrentar os riscos, caso aconteçam. Isso minimiza os impactos negativos e potencializa as oportunidades.

Fortalece processos

Ao monitorar os riscos, você pode melhorar os processos, corrigindo falhas, eliminando desperdícios, otimizando recursos, aumentando a qualidade e a eficiência.

Reduz desgastes e prejuízos

Outro benefício a ser levado em conta é a redução de custos, atrasos, perdas, reclamações e até multas. Todas as situações causam desgastes e prejuízos, mas o plano de gerenciamento de riscos ajuda a evitá-las.

Identifica e aproveita oportunidades positivas

Falamos, anteriormente, que parte do gerenciamento de riscos é ouvir clientes, funcionários e fornecedores. Assim, você pode identificar e aproveitar as oportunidades positivas que podem surgir desse feedback e impulsionar o seu negócio.

Melhora relações internas e externas

Ao gerenciar os riscos, fica mais fácil melhorar as suas relações internas e externas, aumentando a confiança e a credibilidade da sua empresa.






Plano de gerenciamento de riscos e compliance

O plano de gerenciamento de riscos e o compliance devem estar alinhados e integrados, fazendo parte da cultura organizacional. Na verdade, são ações complementares.

O compliance atua na conformidade com as leis, normas e regulamentos, enquanto o gerenciamento de riscos trabalha na prevenção e na mitigação de situações que podem afetar a empresa.

Na verdade, o trabalho de compliance tem início com uma avaliação dos riscos de conformidade. Por isso, ter um plano consolidado facilita todo o processo.

Em contrapartida, os treinamentos de compliance contribuem para conscientizar toda a equipe para evitar o descumprimento da legislação, uma colaboração direta para o trabalho de monitoramento contínuo do plano de gerenciamento de riscos.

Assim, é possível afirmar que ambos têm como objetivo proteger a reputação e a saúde financeira da empresa


Conheça o clickCompliance!

Com integrações eficientes e um design profissional, o clickCompliance torna a mitigação de riscos muito mais simples e eficaz.

Agende uma demonstração e saiba como nosso software pode contribuir para o seu plano de gerenciamento de riscos!

Author


Avatar

Helen Lugarinho

Apaixonada por tudo o que envolve comunicação, compliance, cultura e pessoas! Novas histórias e desafios me movem.